Quantos mais terão de sair à rua? criar PDF versão para impressão
22-Mar-2009

Atingida a capacidade de mobilização de uma mole humana nunca antes observada em acções de protesto na rua, ocupando surpreendentemente e literalmente a Avenida da Liberdade em Lisboa, como voltou acontecer no dia 13 de Março através do apelo da CGTP, agora por trabalhadores de vários sectores de actividade e em que se destacou o sector público em geral, que mais tem sentido a afronta impiedosa das medidas governamentais, que já antes levaram também os professores a repetirem a proeza através de extraordinárias mobilizações de descontentamento.

Como pode o primeiro-ministro José Sócrates desvalorizar tanta inquietação e indignação junta e, numa simplista análise social e política, concluir que tal se deve à instrumentalização de partidos, como que se os partidos fossem donos dos eleitores e do seu voto e estes não tivessem vontade e opinião própria.

Esta é uma lógica deturpada do exercício de cidadania sobre a utilização do voto, a que não será certamente estranho o facto de estarmos num ano em que as principais vítimas, espoliadas e deserdadas das políticas neoliberais. Os desempregados, os humilhados com tanta indignidade e ofensa aos seus direitos, alguns elementares e conquistados com muita luta ao longo do ultimo século, podem em vários actos eleitorais, utilizar em consciência, uma "arma" que poderá decididamente contrariar o absolutismo de maiorias absolutas, que estão a fazer transbordar para a rua uma gigantesca onda de descontentamento, "instrumentalizado" sim pelas politicas do Governo.

Se para o Governo "nada se passou" e nada faz mudar ou inflectir o rumo da sua politica, quantos mais terão de sair á rua, perguntar-se-á, ou que outras formas de luta serão necessárias para os que sempre acabam por pagar a crise, se façam ouvir? Esta será a dúvida desesperada e para muitos, angustiante de tanta falta de respeito para com um povo em pleno exercício do seu direito à indignação, que só pode continuar neste caminho de luta pelos meios e poderes democráticos, que precisam de ser mais exercitados e defendidos através da participação activa dos trabalhadores.

José Lopes (Ovar)

{easycomments}

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.