Um Bloco pelas pessoas do Porto criar PDF versão para impressão
19-Mar-2009

Moisés FerreiraO Bloco de Esquerda apresentou no passado Sábado as suas prioridades e a sua candidatura à Câmara do Porto. O que a distingue das demais candidaturas (entre as oficializadas e as presumíveis) é o objecto das suas propostas. O centro do programa do Bloco são as pessoas... O Porto como cidade de face humana.

As restantes candidaturas transpiram continuismo e imobilismo. Uma é a sequela da direita que tem governado a Câmara do Porto e que foi fértil na privatização dos espaços públicos; na perseguição, guetização e expulsão dos mais pobres e necessitados; no abandono e desertificação da cidade.

A outra candidatura é a extensão do Governo Sócrates. Um braço que compactua com a privatização do Rivoli (escolhendo o lado do empresário do espectáculo em detrimento da criação cultural do Porto); com a proliferação das pouco transparentes empresas municipais. Candidata de um partido que votou na Assembleia da República pela continuação dos despejos das habitações sociais por argumentos completamente arbitrários; candidata essa que não apresenta propostas para reverter a fuga de 60.000 pessoas do Porto em 8 anos.

Ambas as candidaturas, à falta de propostas, esgrimam na estratosfera. Sobre a recolocação do Porto no mapa; sobre a necessidade do Porto ganhar centralidade. Ideias para a concretização não são conhecidas!

O Bloco de Esquerda é a ruptura com estes pressupostos vagos. O BE exige a centralidade das pessoas na política autárquica e na cidade do Porto. Porque sabemos que quem conta na cidade, que quem faz a cidade, que quem dá dimensão à cidade são as pessoas.

A cidade do Porto recolocada na região e no país é a cidade que chama a si os habitantes. Não é a cidade dos especuladores que desertificam o Centro, nem a cidade-montra que se divide em zonas para ricos e zonas para pobres. Por isso o BE reclama habitação para todos e heterogeneidade na malha urbana. Nem mais um despejo por parte da Câmara do Porto e recuperação dos imóveis devolutos da cidade para posterior cedência às famílias mais necessitadas. Por isso defendemos a promoção de habitações dignas a preços livres de especulação.

O BE quer o Porto como a cidade de todos e para todos... Essa cidade não se faz com a multiplicação dos espaços privados e privatizadores. Por isso o BE quer a devolução à cidade de espaços como o Rivoli e a recuperação de espaços como o Bolhão. Queremos ainda o reencontro com o Rio Douro, espaço que deve ser devolvido ao dia-a-dia de todas as pessoas.

O Bloco apresentou-se e a sua candidatura é uma candidatura dos cidadãos e para os cidadãos. Que outras poderão dizer o mesmo? As que arrastam consigo as políticas do Governo ou as que estigmatizam os mais pobres, negando-lhes dignidade, direito à habitação e ao local (como acontece no Aleixo)? Nenhuma destas!

Que outras candidaturas já apresentaram programas e meddas de combate à crise social, exigindo que a autarquia coloque a prioridade do lado dos mais desprotegidos? Apenas o Bloco. Porque sabemos quem, na verdade, faz a cidade!

Moisés Ferreira

{easycomments}

 
< Artigo anterior
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.