Votar penaliza criar PDF versão para impressão
01-Out-2009

Esta situação que vou agora relatar é real e só a vou aqui expor porque acho vergonhosa e danosa para a democracia e, em especial, para o Bloco, uma vez que creio ter-nos roubado uma data de votos.

Trabalho num call center, de uma das operadoras móveis. Não trabalho especificamente para uma operadora, mas antes para um empresa de recursos humanos, subcontratada. Uma vez que temos folgas rotativas reparei que estaria a trabalhar no dia de eleições. Tendo em conta que acho que votar é um direito e um dever de cada cidadão, perguntei quais as alternativas para ir votar. Qual não é o meu espanto que, em vez de estar autorizado a poder chegar atrasado, o meu horário, desse dia, é alterado para a mesma carga horária, no entanto nocturna. Ou seja, o meu ponto de vista não é mostrar desagrado perante o horário em si, mas antes pela alternativa que me foi fornecida. Tenho pleno conhecimento que muita gente que lá trabalha gostaria de ir votar nesse dia (relembro que a grande maioria são jovens), no entanto, estou certo (porque me foi dito por colegas) que por medo de represálias, ou por medo de alternativas como a que me foi oferecida, não foram votar.

Estou certo que tinha o direito de que me fosse cedido o tempo suficiente para ir votar sem perda de regalias ou direitos e sinto que isso foi violado.

Escrevo-vos, porque sei que são os únicos que nos ouvem e poderão fazer algo para travar este tipo de situações pouco democráticas.

Um leitor do esquerda.net

{easycomments}

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.