Colégio Militar: Defesa quer relatório em segredo criar PDF versão para impressão
22-Out-2009
Casos de violências sobre alunos no Colégio Militar continuam por esclarecerO Bloco defendeu hoje que o relatório sobre as alegadas agressões no Colégio Militar “não pode ser confidencial”, exortando a direcção da instituição a condenar “casos que não são aceitáveis” e a tomar medidas para evitar a sua repetição. Em causa estão alegados abusos e violências sobre alunos daquela instituição. Algumas mães de alunos manifestaram-se hoje em frente ao Colégio.

Em declarações durante uma manifestação de apoio a mães que retiraram os filhos do colégio por terem sido alvo de agressões por outros colegas, a deputada do Bloco Ana Drago disse ter “a certeza que as pessoas que colocam aqui os seus filhos confiam e consideram que esta é uma instituição de qualidade”, mas que existe “um problema de transparência”.

A deputada do Bloco esteve em frente ao colégio durante cerca de uma hora com três mães de antigos alunos alvo de agressões, local onde também se concentraram também cerca de 40 pessoas para uma manifestação de apoio à instituição.

“Há aqui casos de internamento, são casos graves que por vezes provocaram danos físicos e emocionais que talvez sejam permanentes e hoje o ministério da Defesa vem hoje dizer que o relatório [do inquérito] é confidencial”, afirmou Ana Drago, considerando que este assunto “não pode ser uma questão confidencial”.

“Não estamos a falar de segredos de Estado, estamos a falar de uma escola pública”, disse.

Segundo Ana Drago existiu uma “estratégia de encobrimento da direcção” do Colégio Militar e que o objectivo do Bloco é que “isto não volte a acontecer” e que haja “sinais claros da direcção que digam que isto não é aceitável e que tem de ser alterado”.

“Não estou a dizer que a direcção instiga à violência mas tem sido absolutamente negligente, sabemos que em determinados casos o colégio não sancionou os agressores e não tomou medidas de forma a reorganizar a sua estrutura de funcionamento para que isto não volte a acontecer”, defendeu.

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda teve um papel muito relevante no processo que conduziu à realização do referido inquérito, e solicitou ao Ministério da Defesa Nacional que fosse divulgado o relatório final produzido “sobre a ocorrência de alegadas práticas de violência física sobre alunos destas instituições, onde constam as recomendações com vista à melhoria do funcionamento e organização dos dois estabelecimentos militares de ensino”.

ler o requerimento do Bloco

outras notícias:

Oito acusados de maus tratos no Colégio Militar 

Bloco quer investigação das agressões a alunos no Colégio Militar 

Ministério Público investiga queixas no Colégio Militar 

{easycomments}

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Participe
© 2020 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.