Coreia do Norte anuncia ser nova potência nuclear criar PDF versão para impressão
22-Dez-2006
kim_jong_ilNo dia 9 de Outubro, o governo da Coreia do Norte anunciou ter realizado com êxito um teste que converteu o país numa potência nuclear. Para Pyongyang, a sua capacidade nuclear vai contribuir para "manter a paz e a segurança" na Ásia, reforçando o seu poder de dissuasão. A agência de notícias norte-coreana garantiu que não houve fugas radioactivas durante a experiência. A Coreia do Sul, a Rússia e a Austrália confirmaram o abalo sísmico, de 4,2 na escala de Richter, provocado pelo teste, que teria ocorrido na localidade de Hwadaeri, perto da fronteira com a China.
Ver vídeos

No mesmo dia, o governo do Japão criou um gabinete especial de crise. O primeiro-ministro Shinzo Abe disse que o teste não contribui para a estabilidade da região. O Conselho de Segurança da ONU condenou o teste.

No dia 15, o Conselho de Segurança adoptou por unanimidade sanções económicas e militares à Coreia do Norte. Por pressão da China, porém, a resolução foi suavizada depois de negociações de última hora. A ONU pediu à Coreia do Norte para eliminar todas as suas armas nucleares, mas afastou expressamente qualquer acção militar contra o país. Impõs sanções económicas e restrições ao transporte aéreo e naval. O documento aprovado insistiu no reinício das negociações a seis - as duas Coreias, a China, a Rússia, os EUA e o Japão sobre o seu programa atómico e pediu respeito do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares.

O embaixador da Coreia do Norte, Pak Gil-yon, rejeitou veementemente a resolução e acusou o Conselho de Segurança de adoptar métodos de gângster, após o que abandonou a sala da reunião.

Vídeos

À esquerda, o humorista Stephen Colbert adopta Kim Jong Il como o Grande Leader; à direita, anúncio oficial da realização com sucesso do teste nuclear da Coreia do Norte.

 


 

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Participe
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.