BPN: acusação fala em desvio gigantesco criar PDF versão para impressão
25-Nov-2009
Oliveira e Costa. Foto de MÁRIO CRUZ/LUSA O ex-presidente do Banco Português de Negócios José de Oliveira e Costa e os ex-administradores Luís Caprichoso e Francisco Sanches são acusados pelo Ministério Público de terem desviado 9,7 mil milhões de euros, em operações que escaparam ao registo contábil do banco, usando um "balcão virtual" do Banco Insular de Cabo Verde.


Passagens do despacho de acusação do Ministério Público foram divulgadas pelos diários Correio da Manhã e Diário de Notícias. O Ministério Público abriu, pelo menos, mais quatro novos inquéritos relacionados com as irregularidades cometidas no BPN.

A criação de sociedades offshore e a instrumentalização de uma instituição bancária, o Banco Insular de Cabo Verde foram os pilares da operação de desvio que visava uma estratégia pessoal de "obtenção de poder pessoal e influência nas áreas financeira e realização de negócios" por parte de Oliveira e Costa, diz o despacho.

No Banco Insular, descreve a acusação, foram criados dois "balcões". Um, alegadamente, para registar operações levadas ao balanço; mas no segundo balcão ficavam "todas as transacções à margem de qualquer registo contabilístico, como se de um balcão virtual se tratasse". Assim, fora do balanço, foram registadas "operações com um somatório a débito de 9,7 mil milhões de euros", os quais "foram desviados de forma cumulativa do balanço do Banco Insular".

O esquema foi montado de forma a que, aparentemente, as contas se equilibrassem. O dinheiro desviado era reposto, diz o despacho, com a "utilização de depósitos dos clientes". E quando estes não chegavam, os administradores do Insular "obtinham de investidores angolanos ou mesmo de bancos angolanos depósitos directos, a curto prazo e com alta rentabilidade, para lograr capitais suficientes", explicam os magistrados. Até que o esquema desabou.

O despacho acusa Oliveira Costa, Luís Caprichoso e Francisco Sanches de "actuaram com propósitos de forjar documentos e alterar registos contabilísticos de forma a ocultar e a justificar as suas actuações de apropriação de fundos e obtenção de ganhos".

Os procuradores consideram que as práticas dos principais acusados lesaram o Estado, só em fugas ao fisco, em 104,9 milhões de euros.

Leia também:

Dossier Caso BPN

Um banqueiro no confessionário

A FRAUDE DO SÉCULO CONCLUSÕES DO BLOCO DE ESQUERDA NA COMISSÃO DE INQUÉRITO AO BPN (livro em pdf). 

 

{easycomments}

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Blogosfera
Querido Hipermercado
(...) hoje fui visitar-te e aconteceu-me uma coisa que agora me faz escrever-te um postalinho. Já à saída, quando ia a pagar na caixa, perguntaram-me se não queria arredondar as contas para cima. Onde estavam X € e 73 cêntimos ficavam X+1 €. Estão perceber, não estão? "Porquê?" - perguntei eu. "Para ajudar a Madeira". (...)
Faz-nos um favor, acaba com isto, já te topámos, vai ser socialmente responsável à tua custa. Uns milhões a menos para ti é um quase nada para cada accionista e ainda tens uns descontos nos impostos.
Publicada por José M. Castro Caldas em Ladrões de bicicletas
Ver mais Blogosfera
Últimas Internacional
Últimas Política
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Boletim Económico
Participe
Dois anos de Esquerda.Net
Deveria haver um bom motor de busca
[Continuamos a publicar os depoimentos dos leitores]
Visito o Esquerda.net 1 a 2 vezes por semana. Leio sobretudo notícias pouco ou nada cobertas pela imprensa corrente, artigos de opinião de alguns nomes que me interessam mais, às vezes os Sons da terra e podcasts sobre eventos do BE ou entrevistas, dependendo do tema.
A minha proposta é para todos os sites do BE: deveria haver um bom motor de busca (o do próprio software é muito débil e induz em erro) que permita pesquisas simples ou mais avançadas (booleanas, palavras adjacentes, por exemplo). O Copernic é um bom motor, freeware e creio que poderá ser usado como add-on neste software. É preciso testar e ver o resultado. À medida que crescer o fundo de notícias, precisamos cada vez mais de explorar a totalidade, retrospectivamente e, idealmente, independentemente do tipo de ficheiro que as suporte (texto, imagem, som). Seria um bom recurso de formação e difusão.

Paula Sequeiros, BE Porto



Educação em Debate
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.