Irão: repressão a protestos mata 15 e prende 300 criar PDF versão para impressão
28-Dez-2009
Protestos em Teerão dia 27 de Dezembro. Foto de http://www.kosoof.comFoi o dia mais violento de protestos desde as grandes mobilizações contra os resultados considerados fraudulentos das eleições de Junho. Um dos mortos é sobrinho do oposicionista Mir Hussein Moussavi.

Pelo menos 15 pessoas morreram nas manifestações, incluindo o sobrinho do líder oposicionista do país, Mir Hussein Moussavi. Ele foi morto a tiro durante protestos contra o governo no centro de Terão. A TV estatal iraniana confirmou o número de mortos, afirmando que mais de dez eram membros de "grupos anti-revolucionários".

Na capital, centenas de milhares de manifestantes tomaram as ruas. Cerca de 300 pessoas foram presas.

Os protestos foram convocados pela oposição para coincidirem com o fim da festividade muçulmana xiita da Ashura. Os manifestantes gritavam "Khamenei será derrubado", numa referência ao líder supremo do Irão, o ayatollah Ali Khamenei.

Vídeos feitos com telemóveis e postados na net mostram a multidão nas ruas, a repressão da polícia e nalguns casos confrontos em que a polícia é forçada a recuar. Pelo menos um carro da polícia foi virado pelos manifestantes. Nos vídeos, podem-se ver helicópteros da polícia a sobrevoar o centro de Teerão, e colunas de fumo negro, barricadas e chamas.

A morte do seyed Ali Moussavi, sobrinho do ex-candidato presidencial alegadamente derrotado nas eleições de Junho pelo presidente Mahmoud Ahmadinejad, foi confirmada por diversas fontes, depois de as autoridades iranianas passarem parte do dia a tentar desmenti-la.

Os blogs têm também relatos não confirmados de casos em que polícias desobedeceram às ordens dos oficias de atacar a multidão.

Segundo sites oposicionistas, os manifestantes gritavam também "este é o mês do sangue" e pediam o derrube de Khamenei.

O realizador de cinema Mohsen Makhmalbaf escreveu uma carta aberta ao líder supremo, ayatollah Ali Khamenei, em que o chama de "Yiazid", uma referência ao califa que há 14 séculos ordenou a morte de Hussein, neto de Maomé, cujo martírio é relembrado na Ashura. Trata-se, assim, do pior insulto que se pode dirigir a um xiita.

O cineasta adverte também que se o líder supremo não levar em conta as aspirações do povo iraniano, "algum ia vai ver-se, como Saddam Hussein, escondido num buraco, mas quem vai iluminar a sua cara não vai ser um soldado americano, mas um estudante universitário iraniano."

Outras manifestações ocorreram nas cidades de Tabriz, Shiraz, Ardebil, Ilam, Mahabad, Isfahán, Nayafabad, Qom e Mashhad.

Barricadas em Teerão

Carro anti-distúrbios virado

{easycomments}

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.