Obama como presidente negro criar PDF versão para impressão
15-Jan-2010
Mural pintado Bushwick, Brooklyn. Foto de EricaJoy, FlickROs políticos afro-americanos dos EUA estão a dar-se conta de que fizeram um acordo de Fausto...
Artigo de Immanuel Wallerstein


O Agrupamento de Negros do Congresso dos EUA está cada vez mais impaciente com o presidente Obama, e esta tensão política começa agora a aparecer na imprensa. Os membros do Agrupamento sentem que Obama não deu suficiente atenção para o facto de as actuais dificuldades económicas terem tido um impacto muito superior sobre os afro-americanos e outros grupos minoritários que sobre o resto da população, o que acarreta a necessidade de acorrer a necessidades suplementares.

O deputado Emanuel Cleaver é citado a dizer que "Obama tentou desesperadamente manter-se afastado da raça e todos entendemos o que ele está a fazer. Mas quando há um número tão desproporcionado de negros desempregados, seria irresponsável não prestar atenção directa e canalizar recursos para aqueles que mais estão a sofrer."

O papel de Barack Obama como negro tem sido uma das questões mais importantes e mais discutidas desde que ele apresentou a candidatura à Presidência em 2007. No início, Obama não recebeu apoio entusiástico dos políticos negros dos EUA. Muitos tinham dado apoio público a Hillary Clinton. Houve alguma discussão nos média afro-americanos sobre se Obama era "suficientemente negro".

Esta hesitação mudou radicalmente depois dos caucuses do Partido Democrata de Iowa em Janeiro de 2008, ganhos por Obama, surpreendendo a maioria das pessoas. Iowa é um estado de composição esmagadoramente branca. O facto de Obama ter conseguido lá um apoio significativo enviou aos políticos afro-americanos a mensagem de que ele era elegível. A ideia de que um negro, finalmente, podia ser presidente dos Estados Unidos provou ser um factor primordial para os afro-americanos - não apenas os políticos mas a generalidade da população afro-americana.

Quando foi eleito, Obama já tinha recebido o apoio entusiástico de virtualmente todos os negros dos EUA - ricos e pobres, jovens e velhos. As lágrimas de alegria eram genuínas, e as crianças afro-americanas disseram que a eleição lhes provava que era possível aspirar a qualquer objectivo que desejassem.

A questão é: como conseguiu Obama os votos para vencer? Não teria vencido apenas com os votos dos afro-americanos, mesmo que todos votassem nele. Para além do núcleo central dos eleitores democratas, ele obteve os votos de três grupos cujas opções eram previamente incertas. O primeiro foi o dos que normalmente não votam - muitos afro-americanos (na sua maioria com um nível mais baixo de educação e mais pobres) e muitos jovens eleitores (tanto negros quanto brancos). O segundo grupo foi de eleitores indecisos - localizados muitas vezes nas comunidades suburbanas, e em grande medida brancos. O terceiro grupo foi de trabalhadores especializados brancos que tinham nas décadas recentes desertado do Partido Democrata devido às suas opiniões sobre questões sociais (e que tinham frequentemente exprimido abertamente sentimentos racistas).

Se Obama conquistou os votos dos últimos dois grupos (eleitores indecisos suburbanos e trabalhadores especializados brancos que trouxe de volta do Partido Republicano) foi precisamente porque se convenceram de que ele não era um "negro enraivecido". Obama apresentou-se como realmente é - um político centrista, de formação superior e pragmático, com um comportamento muito calmo. E manteve esta personalidade não só durante a campanha, mas também depois da eleição.

O que está a acontecer agora é que os políticos afro-americanos estão a dar-se conta de que fizeram um acordo de Fausto. Obtiveram o valor simbólico de quebrar a barreira da raça para o mais alto posto electivo nos Estados Unidos apoiando um candidato negro que "tentou desesperadamente manter-se afastado da raça". Obama fê-lo por duas razões. Em parte, esta é na verdade a sua verdadeira personalidade e o compromisso de toda a sua vida. Mas também mantém esta personalidade porque, como político, considera-a essencial para a sua própria reeleição em 2012 e para a garantir a eleição do numero suficiente de deputados democratas no Congresso, de forma a tornar possível concluir a sua agenda legislativa.

Se se tratasse apenas da relação de Obama com os afro-americanos, esta poderia ser considerada uma questão de importância marginal no longo processo histórico. Mas esta situação é de facto meramente uma instância de uma questão política mais geral em todo o mundo.

Avanços simbólicos são elementos da maior importância na política mundial. A eleição de alguém vindo de um grupo que antes não podia aspirar a esse posto em qualquer país é muito importante. Pensem na alegria e no progresso causados pela eleição de Nelson Mandela como primeiro presidente afro da África do Sul, de Evo Morales como o primeiro presidente indígena da Bolívia, das mulheres que foram as primeiras do seu género nos países muçulmanos. A eleição de Barack Obama como o primeiro afro-americano presidente dos Estados Unidos foi o mesmo tipo de acontecimento. Tratou-se em todos os casos de grandes acontecimentos políticos, e a sua importância nunca deve ser subestimada.

Contudo, é preciso que as vitórias simbólicas se traduzam em mudanças reais, senão podem provocar amargos na boca. Quanta mudança pode um líder provocar depende em parte do seu ou da sua prioridade, mas também depende dos condicionamentos políticos do país em questão.

No caso dos Estados Unidos, a margem de manobra de Obama é bastante pequena. Nos poucos momentos em que reagiu como negro, perdeu imediatamente apoio político. Aconteceu durante a campanha quando vieram à luz algumas declarações "incendiárias" do seu pastor Jeremiah Wright, da Igreja Trinity, Chicago. A reacção inicial de Obama foi fazer um discurso sofisticado sobre a raça na vida americana. Disse: "Não posso renegar mais [Jeremiah Wright] que a minha avó branca." Mas logo depois, teve de voltar atrás e efectivamente renegar o seu pastor, saindo da sua igreja.

O mesmo aconteceu de novo, depois da sua eleição, quando o professor Henry Lewis Gates de Harvard (um afro-americano) foi preso depois de entrar na própria residência forçando a fechadura que ficara encravada. Depois de já estar em casa, foi confrontado por um polícia branco e, depois de alguma interacção, foi preso por "conduta desordeira". A reacção inicial de Obama foi dizer que o polícia tinha "agido estupidamente". Houve uma reacção política contrária e Obama convidou então os dois homens à Casa Branca para um encontro amigável.

Para Obama, a lição foi clara. Ele não pode suportar em quaisquer circunstâncias o custo político de ser visto como "presidente negro". Mas isto quer dizer que não pode fazer e dizer coisas que um presidente branco que siga a mesma visão política poderia querer fazer. No contexto americano de hoje, ser um presidente afro-americano acaba por ser um obstáculo, na mesma medida em que é uma conquista histórica. Obama tem consciência disso. O Agrupamento de Negros do Congresso reconhece-o. A questão é saber o que Obama ou o Agrupamento vão fazer sobre isso, ou se podem fazer alguma coisa.

Immanuel Wallerstein

Comentário nº. 271, 15 de Dezembro de 2009

Tradução de Luis Leiria

{easycomments}

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_todosdosiers.png
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.