“Será que uma série de condomínios de luxo são cidades?” criar PDF versão para impressão
27-Fev-2010
Colóquio da Cultra este fim de semana no Liceu Camões, em LisboaO geógrafo Mário Vale foi o orador no painel sobre o que fará um governo da esquerda socialista “Na política das cidades e ordenamento territorial”.

 

 

O investigador do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa considerou na sua apresentação questões ligadas à Economia e competitividade, regeneração de áreas urbanas críticas, suburbanização, ambiente e energia, governança e, ainda, questões sociais.

Uma das problemáticas abordadas foi a expansão urbana caótica que actualmente se regista e que conduz ao esvaziamento dos centros urbanos. O declínio e/ou a restruturação económica, foi também apontado por Mário Vale como sendo um problema das grandes cidades e que origina desindustrialização e desemprego. Outra característica desta restruturação é a “mudança social dos espaços pós-intervenção pública”, verificada com a desactivação de grandes equipamentos e que traduz numa passagem dos “espaços de produção aos espaços de consumo”.

A respeito da “cidade existente” Mário Vale deixou algumas questões críticas. Nomeadamente, como planear o crescimento urbano quando não há crescimento económico e demográfico; como mediar conflitos, numa lógica de ‘planear para Vs. planear com’; como é que o planeamento deixa de ser um veículo de reprodução da sociedade capitalista.

As ideias para uma Política de Cidades e Ordenamento Territorial apontadas por Mário Vale na conclusão da sua apresentação foram:

- integrar institucionalmente a política territorial (coesão, ordenamento do território, cidades, desenvolvimento rural e ambiente) e articular com políticas sectoriais;

- desenhar políticas de forte intervenção pública para as relações urbano-rural e redes urbanas em áreas de baixa densidade (risco de áreas sem aglomerações urbanas fortes declinarem rapidamente);

- apostar na compactação e polinucleação;

- prioridade máxima à reabilitação, qualificação do espaço público e consolidação da estrutura verde;

- duplicar dotação orçamental, actualmente em 1%, para a política de habitação em benefício do centro da cidade e qualificação de bairros sociais;

- adequar o planeamento urbano às alterações climáticas, nomeadamente no que respeita a questões de transportes públicos, mobilidade e normas de construção;

- no planeamento físico adoptar o princípio de usos mistos e atrair investimento e emprego para o centro da cidade;

- centralidade da identidade do lugar nos processos de regeneração urbana, evitando a urbanalização;

- promover uma cultura do território e apostar no planeamento urbano participativo.

João Seixas, geógrafo urbanista e investigador do Instituto de Ciências Sociais, ao comentar a apresentação de Mário Vale concordou com o mesmo, admitindo que “temos um sistema de planeamento quase falido e que não leva em conta as novas dimensões espaço-tempo”.  O investigador defendeu também que é necessário repensar a reabilitação urbana e a mobilidade e que, ao apostar nas cidades, também se “aposta no emprego”.   

{easycomments}

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_todosdosiers.png
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.