Transbordo de lixos no aterro da ALGAR da Serra do Caldeirão criar PDF versão para impressão
10-Mar-2010
O transbordo de lixos e lixiviados, ocorrido no Aterro Sanitário do Sotavento (em Loulé, no Algarve) entre os dias 1 e 3 de Março, é um grave incidente ambiental, e tem responsáveis que não podem ser escondidos, nem ficar impunes. Artigo de Álvaro Delgado.

Quem são os responsáveis?

O transbordo de lixos e lixiviados, ocorrido no Aterro Sanitário do Sotavento (em Loulé, no Algarve) entre os dias 1 e 3 de Março, é um grave incidente ambiental, e tem responsáveis que não podem ser escondidos, nem ficar impunes.

Se há dois níveis de responsabilidade, a responsabilidade política e a responsabilidade técnica, temos culpados políticos e culpados técnicos.

Os culpados políticos são os responsáveis da CCDR Algarve, que foram fazendo um acompanhamento burocrático de uma situação de funcionamento deficiente, que o Bloco vem denunciando, quer a nível local, quer a nível da Assembleia da República.

Mas, são também responsáveis políticos, os membros dos executivos PSD e PS da Câmara Municipal de Loulé que, face às denúncias do Bloco, contrapunham os relatórios da "comissão de acompanhamento" e se recusavam a olhar para a situação como um problema em vias de atingir dimensão ambiental grave.

O que agora aconteceu, não tem como único responsável a elevada pluviosidade. Culpados são também, os gestores e os técnicos, da ALGAR, a quem os contribuintes pagam chorudos ordenados, para gerirem a ALGAR e os seus aterros sanitários. Falharam com muita gravidade.

Não planeando, não precavendo, não solicitando apoio se isso fosse necessário. Mais, camuflaram tudo, até depois de a situação ter acontecido.

Só a denúncia dos residentes na zona e o apoio que o Bloco lhes deu, permitiram que o problema começasse a ser encarado como uma ocorrência muito grave.

Na defesa da qualidade de vida, dos cidadãos e dos residentes dessas zonas em particular, o Bloco não deixará que o assunto seja enterrado.

Não deixaremos de lutar até que o Aterro tenha uma gestão eficiente, que garanta o respeito pela qualidade de vida dos residentes da zona.

O amiguismo e a sobranceria, demonstrados até agora pelo executivo PSD de Loulé e pela CCDR Algarve, exigem a vigilância activa dos cidadãos sobre aqueles que elegeram para cuidar dos assuntos públicos.

 

Álvaro Delgado, engenheiro civil

Membro da Comissão Coordenadora Concelhia do Bloco de Esquerda de Loulé

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2017 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.