Radicalismo versus superficialidade criar PDF versão para impressão
26-Abr-2010
Os nossos políticos do sistema, revelam-se incapazes de pensar a coisa pública e social livremente e em profundidade.
Artigo do nosso leitor António Leite

O período de todos os radicalismos

- A 13/01/2009 - em plena tormenta - o Secretário da ONU multiplicava-se em apelos. Afirmava: falta alguém para "iniciar a liderança do processo de reestruturação da economia mundial", acrescentando, o "B.M. e o FMI nada fizeram, a OCDE também não, o G7 nada - estamos à espera que algém do G20 assuma essa liderança...".

Estes, parece, não terem ficado indiferentes ao apelo. Assim no final da cimeira dos G20, em Londres a 02/04/2009, emitiram uma declaração, onde constava:

- "... exigência de transparência, contra a opacidade ...",

- "... combate aos off-shores ..." (A OCDE apontou uma lista de países não cooperativos na troca de informações fiscais),

- "... o sigilo bancário do passado tem de acabar ...".

- "... exigência de registo de movimentos de capitais ...",

- "... defesa de uma regulação financeira eficaz ...",

- "... estender a supervisão a agências de supervisão de classificação de risco de crédito ...".

(embora possa parecer, o que acima se encontra escrito não foi retirado do programa do BE (nem do do PC), são, sim, transcrições praticamente literais, da referida declaração dos G20).

- O "observador da santa sé" junto da ONU, defendia a 26/06/2009 - numa intervenção nesta organização:

- "... a necessidade de um desenvolvimento financeiro sustentável ...",

- "... regulamentação para garantir transparência global e o controlo a todos os níveis do sistema financeiro...".

- Sarkozy - falava (pela mesma altura) da necessidade de "um mundo novo" ...

- O Sr. Van Zeller, defendia num "prós e contras" (após a crise já ser declarada uma evidência), que o Estado devia passar a intervir na economia - fazendo antever que na intervenção seguinte iria defender os planos quinquenais ...

Estava-se, é claro, a assistir à chegada das, alterosas vagas, que, ameaçavam tragar os continentes...

Mas o registo iria mudar ...

Da negação

Cabe aqui citar o provérbio; "só te lembras de santa Bárbara quando faz trovões" ... De facto à mais ligeira abertura no denso e negro horizonte, entra-se num processo de rejeição, do anteriormente afirmado e defendido.

- Por um lado trata-se não só de rejeitar as anteriores mensagens - recalcando-as para obscuras instâncias - como de simultaneamente abater os mensageiros.

- Trata-se por outro de garantir que nada mudará.

- Ganhando corpo uma reacção conservadora.

É neste registo que todos os epítetos - contra quem possa ser identificado com as anteriores ideias de mudança - são permitidos.

(Usam e abusam de epítetos - com óbvias intenções depreciativas - como; "esquerda radical", "extrema esquerda", "partidos sem ambição de governar - logo irresponsáveis" , etc, etc,.. - Por exemplo; Saldanha Sanches numa entrevista televisiva, frente a um dirigente do CDS e ladeado por Mário Crespo (no fim de 2009 ou início de 2010), afirmava que "...o BE e o PC não, que são partidos ‘anti-sistema', mas que o PSD e o CDS tinham um contributo a dar para a aprovação do Orçamento (de Estado) ...".

Tudo vale neste jogo de espelhos, tal é o empenho em confundir, baralhar e assustar - lançando nuvens de fumo sobre mentes desprevenidas e/ou incautas.

Querendo fazer esquecer, que se existem, no actual panorama, irresponsáveis; eles são os responsáveis políticos, pela queda no abismo.

Foram eles que nos últimos 25 anos, santificaram os mercados, fecharam os olhos às suas regras - praticando o "laissez faire, laissez passer" -, enquanto defendiam o estado mínimo.

Pretendem agora os partidos "do sistema", aparecer como os (responsáveis) salvadores da queda capitalista - de que foram co-responsáveis. Quais personagens burlescas de uma qualquer ópera-bufa de mau gosto.

Opções

Hegel afirmou que, liberdade, autonomia e desinteresse são condição de todo o pensamento especulativo.

Os nossos políticos do sistema, revelam-se incapazes de pensar a coisa pública e social livremente e em profundidade. (Assumindo-se como meros gestores do sistema). Agrilhoados que estão a teias de interesses privados, e tolhidos por preconceitos ideológicos.

Falta-lhes a autonomia e o desinteresse, que permite tudo pensar e tudo questionar.

Os "partidos do sistema", revelam-se prisioneiros de um conservadorismo atávico, paralizante e estagnante..

Se dúvidas houvesse, bastaria ouvir as propostas em torno do Orçamento de Estado. Assistindo-se à retoma da cartilha neo-liberal, e, das receitas de sempre.

Neste processo os partidos do arco da governabilidade, acotovelam-se a adquirir protagonismo - pretendendo garantir aos interesses instalados, que continuarão intocáveis, seja qual for o custo...

Os contornos da receita revelam-se; mais austeridade. Pondo a maioria (significativamente empobrecida - e contribuindo, desta forma, para o agravamento das desigualdades sociais) a pagar os desvarios, a especulação, as fraudes e os crimes vários de capitalistas e do seu "sistema". Para a pôr em prática conta-se, é claro, com os partidos do "sistema", reunidos em torno do seu departamento de promoção de negócios - intitulado ... "governo".

Portugal é (como é sabido), um dos países (europeus) cimeiros nas desigualdades sociais.

As propostas (da esquerda), de combate a essas desigualdades, de uma maior justiça económica e de um combate efectivo à corrupção e à fraude, esbarraram sempre (no passado), e, continuam a esbarrar (no presente), no muro de resistência do poder político.

(No início de 2010; os media noticiavam que o lucro diário dos 5 maiores bancos nacionais, durante o ano de 2009 - com a crise plenamente instalada - ascendeu a 4,8 milhões de €).

Acena este mesmo poder político, com esfarrapados argumentos, não permitindo que se adoptem medidas, aplicadas, afinal, noutros países europeus (onde são governo os seus congéneres políticos).

Os nossos neo-liberais, têm de diferente de outros, a maior temeridade perante interesses instalados.

Os partidos do poder pretendem continuar a privatizar lucros e benefícios (a favor de alguns) - numa espécie de orgia promíscua de interesses -, desbaratando bens e recursos públicos - que deveriam promover a melhoria da qualidade de vida da maioria...

(Esta distribuição de mais valias e de rendas - por parte do Estado (convertido em departamento de negócios do regime) - a empresários e privados, tem levado, economistas ortodoxos, da área do poder político, a classificar o regime de "capitalismo sem riscos" - para os capitalistas é claro).

(Acrescentaria que no seu último governo absolutista, o PS (à semelhança de todos os (des)governos anteriores), multiplicou como cogumelos, as PPP e outros contratos com privados, em negócios, frequentemente obscuros, e, invariavelmente, ruinosos para o Estado - leia-se; para todos nós ...).

Saliente-se que o mesmo governo absolutista, abriu ainda caminho, à privatização da água, do ensino superior público e das estradas (ultrapassando tudo o anteriormente feito).

- O "Público" de 15/06/2009, noticiava; que o consórcio Amorim Energia - após a privatização da GALP, e desde que entrou no seu capital - já tinha arrecadado 330 milhões de € em dividendos brutos (em apenas cerca de 4 anos) (notícia acompanhada da imagem de um Américo Amorim rasgadamente sorridente). A Sonangol 90 milhões e Isabel dos Santos (a 4ª maior accionista) 56 milhões.

Com a privatização da GALP, o estado catapultou Amorim para o 1º lugar do podium dos mais ricos do país.

Que acham os leitores?, excelente distribuição esta que subtrai recursos, públicos, à maioria, entregando-os a um pequeno grupo - qual política anti-Robin dos bosques !!!...

Eu anotaria aqui que;

Etimologicamente (como se sabe), radical significa; referente à raiz, essencial ...

Historicamente o termo foi aplicado a organizações ou movimentos, vários, que preconizavam reformas profundas, como por exemplo os defensores do sufrágio universal (entre outros)...

- No fundo, para os políticos do "sistema", toda a história já se encontra escrita (quanto muito há um ou outro retoque cosmético a dar)!.

- Aos que à cerca de um ano perguntavam se se estava a assistir ao fim do capitalismo? - É possível hoje responder: Não!

- Cabe hoje colocar outra pergunta: Poderá o capitalismo reformar-se?

- Será, afinal, o capitalismo reformável?

{easycomments}

 
Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2017 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.