Ecossistema do Golfo do México em perigo criar PDF versão para impressão
19-Mai-2010
Derrame de petróleo no Golfo do México - foto da LusaO ecossistema do Golfo do México pode sofrer danos irreparáveis. Especialistas afirmam que o derrame de petróleo é maior do que a BP e as autoridades dos EUA dizem.
Por Matthew Cardinale, da IPS

Atlanta, Estados Unidos, 19/5/2010 - O ecossistema do Golfo do México pode sofrer danos irreparáveis após a explosão da torre de perfuração da British Petroleum (BP) que provocou o maior derrame de petróleo na história da região, alertam especialistas. A explosão, ocorrida no dia 20 de Abril, provocou uma racha que liberta cinco mil barris (795 mil litros) de petróleo diariamente, segundo as autoridades dos Estados Unidos e da BP, mas cientistas e activistas afirmam que a quantidade é muito superior e que pode chegar aos 70 mil barris (11,13 milhões de litros) por dia.

A BP anunciou Terça feira que conseguiu introduzir um tubo dentro da racha, o que permite canalizar o petróleo que estava a derramar, mas as autoridades norte-americanas asseguram que é apenas uma solução de emergência. O poço está localizado a cerca de 1,5 mil metros de profundidade, o que representa obstáculos formidáveis para acabar com o derrame no mar. No longo prazo, calcula-se que o acidente ofuscará o derrame de 11 milhões de galões (41 milhões de litros) provocado pelo petroleiro Exxon Valdez em 1989, no Alasca, o maior desastre petrolífero na história dos Estados Unidos.

Ainda não se sabe quanto petróleo pode ser derramado no Golfo antes de o derramamento ser completamente contido. A Agência de Protecção Ambiental dos Estados Unidos diz que as amostras recolhidas no dias 1º e 2 deste mês, na costa da Luisiana, continham químicos derivados do petróleo. "Estes resultados continuam a indicar que a qualidade da água não representa um risco maior para a vida aquática, como os peixes e moluscos", disse a Agência no dia 4.

Mas Riki Ott, uma toxicologista que escreveu dois livros sobre o derrame do Exxon Valdez, acredita que a situação é muito pior do que as autoridades afirmam. A "BP tenta dizer que estamos a ganhar porque o petróleo não chegou à costa. Nada mais longe da verdade. Estamos a perder, com tanto petróleo tóxico a derramar em cada dia e que está a ser atacado com dispersantes, outro químico tóxico", ressaltou. A companhia informou que usou cerca de 400 mil galões (1,51 milhões de litros) de dispersante, que fragmenta o petróleo, e prepara mais 805 mil galões (três milhões de litros).

"Este petróleo disperso é extremamente tóxico para as formas de vida jovens", afirmou Ott à IPS. A "BP diz que não é tóxico, que não representa um problema maior. Isso é muito enganoso porque os únicos dados sobre a toxicidade se baseiam numa experiência na qual são mergulhados camarões e gobios adultos em dispersantes ou petróleo, durante 48 ou 96 horas, e são contados quantos morrem ou vivem", disse Ott. "No entanto, as formas de vida jovens são mais sensíveis aos químicos tóxicos do que as adultas. No Golfo há uma exposição contínua. O petróleo se desloca" mais de 1,6 quilómetros na água, acrescentou.

Estudos de arenques mortos após o derrame do Exxon Valdez demonstraram que os parasitas que habitualmente viviam no estômago dos peixes migraram para o tecido muscular a fim de evitar a exposição tóxica, enfraquecendo, assim, o sistema imunológico e gerando problemas reprodutivos. "Cerca de 99,9% das ovas de arenque expostas ao petróleo morreram", explicou Ott, destacando que os ecossistemas da plataforma continental e do oceano aberto estão muito ligados.

"O camarão criado nos pântanos e mangues, quando migra para o mar converte-se em alimento do mero" e de outras espécies, disse Ott. "É muito petróleo e muito rápido para não repercutir com força em gerações de vida silvestre presentes na água. As aves que comem moluscos, os mamíferos marinhos estão a adoecer e morrer. Há pássaros que alimentam os seus filhos com pescados cheios de petróleo, o que atrasa o seu crescimento", acrescentou.

Também corre risco o sustento das famílias que vivem da pesca. A BP indemnizou com um máximo de 5 mil dólares os pescadores e outros trabalhadores que reclamaram individualmente por perdas económicas. Calcula-se que as operações de limpeza e os danos causados pelo derrame custarão cerca de 4 mil milhões de dólares, embora essa quantia possa ser superior. O governo dos Estados Unidos afirma que a BP e outras empresas com responsabilidade no derrame devem pagar integralmente a limpeza e os prejuízos. O presidente Barack Obama pretende conseguir 118 mil milhões em fundos de emergência para os custos imediatos relacionados com o derrame, que a BP reembolsaria ao governo.

Orissa Arend, da cidade de Nova Orleães, na Luisiana, fronteira com o Golfo do México, disse à IPS que a maioria dos habitantes continua a consumir o pescado local, porque 80% dele procede de regiões que ainda não foram afectadas pelo derrame. Os 20% restantes vêm de unidades processadoras de pescado que suspenderam a produção. A população também se preocupa com a iminente temporada de furacões. "As pessoas temem que na próxima passagem de um furacão, em lugar de inundações apenas de água, tenhamos inundações de água misturada com petróleo", disse Arend.

IPS/Envolverde

Leia notícias anteriores no esquerda.net:

British Petroleum: a sombra de Chernobyl

Fracassa tentativa de conter mancha de óleo

Maré negra está para durar

EUA: Maré negra leva à declaração de emergência em quatro Estados

{easycomments}

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Últimas Política
Últimas Sociedade
© 2017 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.