Fuga em frente de Bush para o Irão? criar PDF versão para impressão
23-Fev-2007
immanuel_wallerstein.jpgOs franceses têm a expressão fuite en avant. A fuite en avant é o que alguém faz quando está numa situação de perda, e espera salvar-se fazendo mais do mesmo ou ainda pior, criando assim uma situação na qual se espera que as pessoas sintam que têm de apoiá-lo. Será esta a intenção de Bush em relação ao Irão?

Sabemos duas coisas sobre o regime de Bush. A sua posição no Iraque é impossível e está actualmente sob enorme contestação mesmo no interior dos Estados Unidos. O apelo para a retirada  cresce diariamente e vem de todo o mundo. E sabemos que desde 2001 os neocons e Cheney estão a fazer pressão para um ataque militar ao Irão, com o objectivo de mudar o regime do país. Por isso, poderia ser este o momento.

Os Estados Unidos enviaram a sua frota para a região, e puseram no comando um almirante conhecido pela sua competência em ataques mar-ar. Os Estados Unidos estão a fazer declarações praticamente todos os dias acerca de alegados delitos iranianos. Em poucas palavras, os Estados Unidos estão a tinir os sabres. Além disso, um grande número de pessoas parece levar isto muito a sério. Três dos militares americanos de mais alta patente na reforma fizeram advertências públicas contra a loucura de atacar o Irão. O mesmo fez Zbigniew Brzezinski, que dificilmente poderia ser classificado de pomba. O mesmo fizeram inúmeros políticos e diplomatas de todo o mundo. Mas Cheney deixou claro que o governo dos Estados Unidos vai fazer o que lhe apetecer, seja qual for o número de opositores, ou sejam eles quem forem.

Alguém vai apoiar os Estados Unidos nesta aventura? Na verdade, muito poucos. O Congresso dos Estados Unidos não vai, apesar de Bush e Cheney poderem estar a contar com o facto de que será mais difícil aos democratas oporem-se-lhes em relação ao Irão do que em relação ao Iraque. Vão ter o apoio do governo de israel. E parecem estar a contar com o apoio dos sauditas. Mas isto é não compreender a posição saudita. Os sauditas estão evidentemente preocupados em limitar as pretensões iranianas à hegemonia na região, assim como em conter as possibilidades da militância xiita nos Estados dominados pelos sunitas, e antes de tudo na Arábia Saudita. Mas os sauditas também deixaram claro que um ataque militar ao Irão vai prejudicar mais que ajudar os seus objectivos políticos. A activa mediação saudita na disputa Hamas-Fatah na Palestina indica que estão a tentar distanciar-se claramente da estratégia dos Estados Unidos no Médio Oriente. E, na Europa, até os britânicos estão a tornar público o seu desacordo em relação à ideia de um ataque ao Irão. 

Vamos então supor que, apesar de tudo isto, Bush e Cheney decidem fazer a sua fuga em frente para a guerra, a fuite en avant para tentar salvar a sua situação desastrosa. O que ria acontecer, e por que fariam isso? O que aconteceria, parece claro. Um ataque aéreo ao Irão não vai cumprir o objectivo de desmantelar o programa nuclear iraniano, apesar de poder causar-lhe danos. Mandar tropas, se os Estados Unidos conseguirem reuni-las, levaria a um muito alto índice de mortalidade americano. O governo iraniano seria fortalecido politicamente - em casa e em todo o mundo islâmico. Os russos e os chineses iriam apoiar o Irão de facto.

E, pior de tudo para os Estados Unidos, aqueles que consideram os seus maiores aliados iraquianos iriam começar a vociferar pela retirada imediata dos Estados Unidos do Iraque. O ex-primeiro-ministro Ibrahim al-Jaafari já começou a seguir esse caminho. Ninguém no Iraque, ninguém, quer que os Estados Unidos ataquem o Irão, e ninguém emocionalmente está do lado dos Estados Unidos nesta questão.

Ora eu penso que Cheney é um político inteligente, que consegue ver tudo isto. Se isso é verdade, por que estaria ele, mesmo assim, empurrando para a guerra? Poderíamos nós trabalhar com a ideia de que criar um ainda maior desastre para os Estados Unidos parece-lhe a melhor opção disponível para completar os seus reais objectivos políticos?

Cheney (e Bush) sabem que vão controlar o governo dos Estados Unidos por apenas mais dois anos. Depois disso, não sabem quem estará no poder, mas têm todas as razões para duvidar que sejam seus clones. A última coisa que querem é uma transferência pacífica de poder para alguém que possa desmantelar o que eles construíram e tentar, sequer tentar, trazer os Estados Unidos de volta onde estavam - doméstica e internacionalmente - nos anos de Nixon a Clinton.

Eles procuram aumentar, não reduzir, o conflito interno nos Estados Unidos. Querem desmantelar ainda mais o quadro de liberdades civis, que nunca foi perfeito mas que causou alguns problemas ao poder governamental. Querem mais retrocessos na arena dos direitos sociais. Querem uns Estados Unidos mais escuros num mundo mais escuro.

Alguém pode pará-los? Possivelmente. Existe hoje uma resistência bastante espalhada e barulhenta dentro das forças armadas. Pela primeira vez na minha vida, vi especulações na imprensa sobre um golpe militar. Duvido que ocorra, mas o próprio facto de haver especulações mostra quão extenso é o problema. E há a resistência dos políticos, que são, essencialmente e na sua maior parte, centristas moderados cuja maior preocupação é manter as suas posições eleitorais e que acompanham a direcção para onde soprar o vento dos seus eleitores. Será isto suficiente? É difícil dizer, mas vamos vê-lo mais claramente nos próximos dois ou três meses. 

Immanuel Wallerstein, 15 de Fevereiro de 2007

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.