O Perigo das Palavras: definição de conceitos mais usados na actividade anti-racista criar PDF versão para impressão
05-Abr-2007
amigos‘Eu não sou racista, porque não tenho nada contra as pessoas de cor se elas se assimilarem e cumprirem as nossas regras. Na verdade, alguns dos meus amigos são pretos...'
Talvez já tenha sido confrontado com esta opinião ou outra semelhante. Talvez já tenha tentado explicar que o significado da palavra tolerância não é que tudo é permitido.
Este texto da organização Unidos para a Acção Intercultural, da Rede Europeia contra o nacionalismo, o racismo, o fascismo e para o apoio aos migrantes e aos refugiados discute alguns conceitos usados frequentemente.

As definições neste boletim são ideias. Não são a única nem a melhor expressão de uma verdade imutável. A linguagem está constantemente a mudar, tal como as palavras e os conceitos. Com o tempo, estes podem mudar e passar a significar uma coisa completamente diferente. Na cooperação internacional, mas também na cooperação com o vizinho que mora ao lado, temos que estar atentos, pois aquilo que dizemos pode ter outro significado para o outro. Devemos estar conscientes do ‘perigo das palavras'.


DIREITOS HUMANOS

Direitos humanos são direitos que todos os seres humanos, sem excepção, devem usufruir. Estes direitos baseiam-se nas ideias dos filósofos do ‘Iluminismo' do século XVIII. Os direitos humanos incluem direitos sociais (que são direitos que precisam de uma intervenção positiva do governo, tal como o trabalho, a habitação, a alimentação, etc.) e direitos políticos (que essencialmente garantem a não interferência do governo como a liberdade de pensamento e de expressão, protecção contra a detenção e a tortura, etc.). Todos os países na Europa, excepto alguns pequenos ou novos países, assinaram a Declaração Europeia de Direitos Humanos ou a Declaração de Direitos Humanos das Nações Unidas. Existe discussão em torno da inclusão de direitos tais como o direito de viver sem poluição ambiental.


TOLERÂNCIA

Tolerância é respeito, aceitação e reconhecimento da rica diversidade das culturas do nosso mundo, formas de expressão e maneiras de ser Ser Humano. Tolerância é harmonia na diferença. É adoptada pelo conhecimento, abertura, comunicação e liberdade de pensamento, consciência e credo. Tolerância é serem vocês próprios sem impor os seus pontos de vista aos outros. Tolerância não é ceder nem desistir. Tolerância é sobretudo uma atitude activa preparada pelo reconhecimento dos direitos humanos universais e liberdades fundamentais dos outros. A prática da tolerância não quer dizer tolerância com a injustiça social nem o abandono ou enfraquecimento de convicções pessoais. A tolerância nem sempre é um conceito positivo. Os significados mais tradicionais da palavra tolerância não incluem nem respeito nem aceitação.


INTOLERÂNCIA

Intolerância é a falta de respeito pelas práticas ou crenças dos outros. Revela-se quando alguém não está disposto a deixar outrem agir de modo diferente ou defender opiniões diferentes. Intolerância pode querer dizer que há pessoas que não são tratadas de maneira justa por causa das suas crenças religiosas, a sua sexualidade, ou até as suas roupas e penteados. A intolerância não aceita a diferença. É o fundamento do racismo, do anti-semitismo, da xenofobia e da discriminação e geral. Conduz frequentemente à violência.


PRECONCEITO

Quando se forma opinião acerca de uma pessoa, sem a conhecer, com base nas características assumidas do grupo ao qual julgamos que a pessoa pertence, é ser preconceituoso. Os preconceitos são ideias complexas que são representadas e presumidas sem que sejam provadas. A mente dos seres humanos não consegue funcionar completamente sem preconceitos. Ao tomarmos consciência dos preconceitos que temos podemos superá-los. Quando alguém é preconceituoso tende a ver apenas aquelas coisas que confirmam as suas ideias e assim fortalece o seu preconceito e os estereótipos em que acredita. Um estereótipo é um julgamento generalizado acerca das categorias das pessoas.


DISCRIMINAÇÃO

Discriminação é o julgamento de alguém e o agir de modo negativo em relação a essa pessoa com base em certas características irrelevantes tais como a cor da pele, o género, a sexualidade, a nacionalidade, a classe social, a etnia, etc.


XENOFOBIA

Literalmente ‘Xenofobias quer dizer medo de estranhos. A palavra é utilizada para descrever a hostilidade para com os imigrantes ou pessoas de grupos étnicos diferentes, assim como um falta de respeito pelas suas tradições e costumes.


RACISMO

Renascimento é a crença que algumas pessoas são superiores porque pertencem a uma raça particular. Os racistas defendem a raça enquanto um grupo de pessoas com ancestrais comuns. Distinguem as raças umas das outras através de características físicas como a cor da pele e a textura do cabelo. De facto não existem diferenças claras e especialmente não existem diferenças significativas que importem. Pesquisas recentes mostram que a raça é uma entidade imaginada. ‘Raça' não tem base biológica. A palavra ‘racismo' é também utilizada para descrever comportamentos abusivos ou agressivos contra membros das chamadas ‘raças inferiores'. O racismo assume diferentes formas em diferentes países de acordo com a história, a cultura e outros factores sociais. Numa forma relativamente recente de racismo, por vezes apelidada de ‘diferenciação étnica ou cultural', afirma-se que todas as raças ou culturas são iguais mas não se devem misturar para assim poderem conservar a sua originalidade. Não existe qualquer prova da existência de raças diferentes. A biologia apenas determinou uma raça: a raça humana.


FASCISMO

Fascismo é um movimento político violento, reaccionário, de direita, que se manifesta em ultima instância numa ditadura terrorista. O fascismo ganha apoiantes em todos os grupos sociais especialmente em tempos de crise económica e política, destrói as liberdades democráticas e descrimina membros de minorias específicas e pessoas com pontos de vista diferentes. Os fascistas acreditam na liderança justa de um homem forte e não na democracia parlamentar. O fascismo constrói um forte nacionalismo que muitas vezes se torna racista. A forma mais brutal de fascismo foi a ditadura nacional socialista na Alemanha entre 1933-1945, mas não foi a única. A palavra ‘fascismo' foi cunhada pelo ditador italiano Mussolini. Naturalmente fala-se de fascismo com um ‘F' maiúsculo quando se fala desta ideologia específica neste contexto histórico específico e ‘fascismo' quando se fala acerca das famílias ideológicas genéricas. Aqueles que acreditam nesta ideologia hoje em dia são chamados ‘neo-fascistas'.


NAZISMO

Nazismo é a ideologia e a política do fascismo na Alemanha que se manifestou mais proeminentemente de 1933 a 1945, e que se caracterizou-se pelo racismo, anti-semitismo, totalitarismo, demagogia social, agressão, violência e ocupação de nações. A palavra nazismo é um diminutivo para nacional-socialismo, um movimento político na Alemanha liderado pelo NSDAP (Partido dos Trabalhadores Nacional-Socialistas da Alemanha). O NSDAP foi fundado em 1919 e em 1933 tomou o poder na Alemanha. Foi considerado uma organização criminosa no julgamento de Nuremberga após a II Guerra Mundial. O regime nazi foi responsável pela morte de milhões de civis, parte dos quais foi gaseada em campos de concentração por causa das suas (presumidas) diferenças. Os grupos mais perseguidos foram os judeus, os ciganos, os homossexuais e os comunistas/socialistas. Ainda há alguns grupos que se identificam com as ideias do nazismo hoje em dia. São conhecidos como neo-nazis. Os neo-nazis manifestam-se como cabeças rapadas, mas nem todos os cabeça rapadas são neo-nazis.


NACIONALISMO

Nacionalismo é uma ideologia política que coloca os interesses de uma ‘nação' ou grupo nacional acima dos interesses das outras e acima de todas as outras relações, quer com a família, os amigos, o género ou a humanidade. Está muitas vezes relacionada com a aquisição de territórios. O Nacionalismo diferencia as pessoas com base numa fronteira, que por vezes nada tem a ver com as pessoas que vivem na região mas com um rei ou outra autoridade que desenha uma linha num mapa. Esta ideia política proclama que os cidadãos de uma nação são superiores a outros e conduz muitas vezes a desconfianças entre nações. Uma forma extrema é o chauvinismo. Originalmente a noção de nacionalismo não era tão negativa, uma vez que também se relacionou com o desenvolvimento de direitos dos cidadãos e a emancipação das minorias oprimidas. Contudo quando o conceito passou a estar intimamente ligado à hereditariedade, identidade e ‘sangue' tornou-se uma ideia perigosa.


PATRIOTISMO

Patriotismo quer dizer ter orgulho de ser membro da sua própria nação, ou amar a sua nação. O Patriotismo nasce de uma atitude emocional para com a nacionalidade, a sua cultura e a sociedade. A amizade com outros países e nacionalidades é possível nesta maneira de pensar, e pode respeitar os seus direitos e interesses. Embora seja diferente do nacionalismo, o patriotismo pode facilmente tornar-se o motor de um nacionalismo intolerante.


INTERCULTURALISMO

É a crença que nos podemos tornar pessoas mais ricas através do conhecimento e da participação noutras culturas. Diferentes pessoas deviam poder viver juntas apesar de terem diferentes passados culturais. O interculturalismo refere-se à aceitação das e ao respeito pelas diferenças. As pessoas que defendem o interculturalismo acreditam que podem aprender e beneficiar com o encontro de culturas.


MULTICULTURALISMO

Multiculturalismo refere-se à aceitação ou à promoção da aceitação da existência de diferentes culturas lado a lado num país. Muitas pessoas usam este conceito para se referirem a um futuro anti-racista. Mas o multiculturalismo pode também querer dizer o mútuo isolamento de culturas. Alguns racistas acreditam num tipo de multiculturalismo próximo do sistema de ‘apartheid' que existia na África do Sul onde diferentes culturas viviam separadas de um modo injusto e cruel.


INTEGRAÇÃO

Integração é um processo de unificar indivíduos e actividades num novo sistema. Quer dizer que os grupos minoritários e o grupo maioritário desenvolvem um novo modo de vida, que inclui elementos e valores e ideias de ambos os grupos. A integração também quer dizer que toda a gente encontra o seu lugar na sociedade. Não existem divisões fundamentais entre os grupos.


ASSIMILAÇÃO

Assimilação é a supressão de diferenças. Por vezes os indivíduos optam pela assimilação mas este processo é maioritariamente forçado a um grupo contra os seus interesses. A assimilação força um grupo a abandonar a sua cultura em favor de outra. Usualmente a minoria sobrepõem-se à maioria.


ILEGAL

A maioria das pessoas na nossa área de trabalho não usa o termo ilegal mas refere-se a uma pessoa que não tem os documentos certos como ‘sans-papiers' (que significa literalmente ‘sem-papéis'). Alguns podem ser ilegais porque entram no país sem autorização ou não têm um licença de residência enquanto vivem no país, ou porque o governo decide mudar as regras e subitamente o direito a permanecer é retirado.


Unidos para a Acção Intercultural

Rede Europeia contra o nacionalismo, o racismo, o fascismo e para o apoio aos migrantes e aos refugiados


 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_todosdosiers.png
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.