OTA ou não OTA, será sensato construir um novo aeroporto? criar PDF versão para impressão
23-Abr-2007

AeroportoA projectada construção de um novo aeroporto de Lisboa na OTA é justificada, sobretudo, pela incapacidade da Portela de dar resposta ao crescente tráfego aéreo. O tráfego aéreo actual rondará os doze milhões de passageiros ano. A taxa de crescimento foi de 4,3% de 2004 para 2005. Extrapolando estas taxas de crescimento para o futuro, estima-se que sensivelmente dentro de uma década o aeroporto da Portela estará esgotado. Assim sendo, projecta-se a construção de um novo aeroporto com capacidade para 40 a 45 milhões de passageiros ano, ou seja, mais do triplo do tráfego actual. Este vício de análise de pressupor que o crescimento não tem limites é algo delirante.
Artigo de José Sousa

Nestes cálculos parece não estar a ser levada em conta uma variável essencial, o preço do combustível necessário para fazer voar os aviões, o querosene. O querosene é um derivado do petróleo, não havendo perspectivas de um combustível alternativo com intensidade energética semelhante.

As perspectivas de evolução da procura mundial de petróleo, segundo o International Energy Outlook 2005 do Departamento de Energia dos EUA são dos actuais 85 milhões de barris/dia para 103 milhões/dia em 2015 e 119 milhões/dia em 2025.

Só a China estima passar de uma frota automóvel de 28 milhões em 2004 para 140 milhões em 2020, e mais que triplicar a sua frota de aviões de 777 em 2003 para mais de 2800 em 2023.

No entanto, tendo em conta que já hoje a produção de petróleo de um número significativo de países entrou em declínio, não é crível que seja possível atingir-se aqueles níveis de procura estimada (que implicam, pelo menos, 40 milhões de barris/dia adicionais face à produção actual, ou seja um crescimento de 50%!) . Assim sendo, o ajustamento far-se-á necessariamente pelo preço, que tenderá para uma forte subida nas próximas décadas, precisamente o horizonte em que o novo aeroporto entraria em funcionamento e durante uma fase crucial da sua operação. Um investimento desta grandeza leva, naturalmente, muitos anos até atingir o "break even", ou seja, até ser amortizado. 

Ora, tendo em conta que a aviação comercial é uma actividade de elevada intensidade energética, será certamente das primeiras a sofrer com o previsível aumento dos preços. Isso mesmo refere um artigo da Revista da Indústria Aeronáutica Internacional Airways intitulado Peak Oil - The Collapse of Commercial Aviation de Alex Kuhlman e o estudo The Oil Crisis and its Impact on the Air Cargo Industry do Institute for the Analysis of Global Security.

 Este artigo e este outro parecem também colocar bem o problema.

A aposta dos fabricantes em super aviões como o Airbus A380 é indiciadora dessa expectativa de aumento significativo do preço do combustível a médio prazo. O futuro das companhias "low-cost", grandes responsáveis pela explosão recente do tráfego aéreo, parece ser muito duvidoso. Acresce a tudo isto as pressões para taxar o combustível (actualmente isento de impostos) por razões ambientais (alterações climáticas).

A aviação comercial não poderá, portanto, crescer indefinidamente num contexto de esgotamento ou pressão sobre a procura do petróleo, daí que a construção de um grande novo aeroporto tenha que ser muito bem ponderada. Caso contrário, arriscamo-nos a construir um novo "elefante branco".

José Sousa
 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Dois anos de Esquerda.Net
Deveria haver um bom motor de busca
[Continuamos a publicar os depoimentos dos leitores]
Visito o Esquerda.net 1 a 2 vezes por semana. Leio sobretudo notícias pouco ou nada cobertas pela imprensa corrente, artigos de opinião de alguns nomes que me interessam mais, às vezes os Sons da terra e podcasts sobre eventos do BE ou entrevistas, dependendo do tema.
A minha proposta é para todos os sites do BE: deveria haver um bom motor de busca (o do próprio software é muito débil e induz em erro) que permita pesquisas simples ou mais avançadas (booleanas, palavras adjacentes, por exemplo). O Copernic é um bom motor, freeware e creio que poderá ser usado como add-on neste software. É preciso testar e ver o resultado. À medida que crescer o fundo de notícias, precisamos cada vez mais de explorar a totalidade, retrospectivamente e, idealmente, independentemente do tipo de ficheiro que as suporte (texto, imagem, som). Seria um bom recurso de formação e difusão.

Paula Sequeiros, BE Porto



Educação em Debate
© 2017 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.