Comentário sobre a OTA e os TGV criar PDF versão para impressão
24-Abr-2007

aeroportotgvA utilização admitida pelo ministro Mário Lino de aeroportos militares, nomeadamente do do Montijo, para receberem voos civis, afastando assim por uns anos a saturação do aeroporto da Portela, parece ser uma medida inteiramente acertada.

Artigo de António Brotas.

A nossa Força Aérea, que assegurou recentemente a segurança e o funcionamento do aeroporto de Cabul no Afeganistão aberto ao trânsito civil e militar, parece vocacionada para futuras actuações internacionais do mesmo tipo. Porque não habituar-se em Portugal ao contacto com civis? A base das Lajes da Força Aérea, nos Açores, é utilizada por aviões civis e militares. Porque não fazer o mesmo no Continente? Aparentemente, basta um protocolo de acordo entre o Ministério da Defesa e o MOPTC.

O aeroporto do Montijo é uma base militar actualmente com um movimento muito reduzido. Foi, ou está em vias de ser transferido para lá o "aeroporto" do Figo Maduro, que é uma simples zona do aeroporto da Portela até agora reservada para voos militares e oficiais. É perfeitamente possível, com custos mínimos, transferir para lá parte dos voos "low cost" que actualmente sobrecarregam a Portela.

Mas, atenção. A prevista ponte para o Barreiro, que atravessa o Tejo no enfiamento da pista principal do Montijo, pode inviabilizar ou, pelo menos, reduzir significativamente a segurança deste aeroporto.

Nos planos do MOPTC esta ponte, destinada fundamentalmente aos comboios para Badajoz e para o Algarve, deve ser completada por uma outra entrada a Norte de Lisboa para os TGV para o Porto. Os dois projectos têm custos financeiros e ambientais elevadíssimos. Há assim que estudar com muito cuidado o modo de travessia do Tejo e as entradas dos TGVs em Lisboa. Estes assuntos, que foram ignorados nas últimas eleições autárquicas, serão certamente temas centrais nas próximas.

E entretanto, o que é que vamos fazer?

Podemos, desde já, dar grande prioridade à construção da linha TGV mista (para passageiros e mercadorias) de Badajoz ao Pinhal Novo, particularmente barata e fácil de construir.

Com esta linha construída, fica assegurada a ligação à rede ferroviária europeia da futura Plataforma Logística do Poceirão e das indústrias da Península de Setúbal, o que é fundamental para a sua sobrevivência. O trânsito de passageiros de Madrid a Lisboa fica também assegurado em condições muito razoáveis. E ficamos com tempo para estudar seriamente a localização do NAL e o modo dos TGVs atravessarem o Tejo.

António Brotas

Professor Catedrático Jubilado do IST

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Dois anos de Esquerda.Net
Deveria haver um bom motor de busca
[Continuamos a publicar os depoimentos dos leitores]
Visito o Esquerda.net 1 a 2 vezes por semana. Leio sobretudo notícias pouco ou nada cobertas pela imprensa corrente, artigos de opinião de alguns nomes que me interessam mais, às vezes os Sons da terra e podcasts sobre eventos do BE ou entrevistas, dependendo do tema.
A minha proposta é para todos os sites do BE: deveria haver um bom motor de busca (o do próprio software é muito débil e induz em erro) que permita pesquisas simples ou mais avançadas (booleanas, palavras adjacentes, por exemplo). O Copernic é um bom motor, freeware e creio que poderá ser usado como add-on neste software. É preciso testar e ver o resultado. À medida que crescer o fundo de notícias, precisamos cada vez mais de explorar a totalidade, retrospectivamente e, idealmente, independentemente do tipo de ficheiro que as suporte (texto, imagem, som). Seria um bom recurso de formação e difusão.

Paula Sequeiros, BE Porto



Educação em Debate
© 2017 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.