A travessia do Tejo e os TGV em Lisboa: À atenção dos candidatos à Câmara de Lisboa criar PDF versão para impressão
16-Mai-2007

Ponte Vasco da GamaHá dois anos nenhum dos candidatos à Câmara de Lisboa se preocupou com o problema da travessia do Tejo e da estação terminal dos comboios TGV em Lisboa. Este problema, que se relaciona com o problema do futuro aeroporto de Lisboa (NAL) e com o traçado da futura linha TGV para o Porto, tem uma importância gigantesca para o futuro da cidade e da sua Área Metropolitana.
É fundamental que os candidatos às próximas eleições para a Câmara de Lisboa se interessem por ele. Serão autistas se o não fizerem.
Opinião de António Brotas

Para facilitar o debate sobre este assunto são a seguir apresentadas as propostas conjuntas - que julgo hoje existirem - para os 3 problemas referidos. As fontes são os sites do MOPTC, NAER, REFER, RAVE, CP e ADFER e informações diversas colhidas na Imprensa e em encontros e conferências em que participei, ou a que simplesmente assisti.

No final, são apresentados alguns breves comentários e uma proposta de actuação para os tempos mais imediatos, que talvez possa ser consensual.

Proposta A (Que julgo ter sido a proposta do MOPTC até 2005)

1-Travessia do Tejo por uma ponte para o Barreiro destinada aos TGV para Badajoz, Algarve, Porto, para um schuttle para o aeroporto da Ota e ainda para uma circular ferroviária.

2- Linha TGV para o Porto considerada prioritária a passar na Ota e, depois, entre as serras dos Candeeiros e de Montejunto.

3- Novo aeroporto na Ota.

Proposta A' (Que julgo ser a proposta do MOPTC depois de 2005)

Semelhante à anterior mas com a variante da ponte para o Barreiro não servir para os trajectos para o Porto e para a Ota. Para este fim é prevista uma entrada para os TGV a Norte de Lisboa pelo Lumiar.

No final de Março foi precisado que a estação terminal seria nas Olaias.

Proposta A" (Proposta do Engenheiro Pompeu Santos)

1- Semelhante à proposta A com a estação terminal igualmente nas Olaias.

2- Não sei exactamente qual é o traçado que propõe para o TGV para o Porto.

3- Novo aeroporto na margem Sul.

Proposta B (Proposta do Engenheiro Arménio Matias)

1-Travessia do Tejo por um túnel para o Montijo destinada aos TGV para Badajoz, Algarve, Porto, e ainda para uma circular ferroviária. Estação terminal em Lisboa nas Olaias.

2- Linha TGV para o Porto a utilizar o túnel para o Montijo e por um trajecto possivelmente ainda a estudar.

3- Novo aeroporto na margem Sul.

Proposta B' (Proposta do Arquitecto José Tudela)

Semelhante ao do Engenheiro Arménio Matias, mas com a variante dos TGV partirem de Santa Apolónia paralelamente ao Tejo e entrando num túnel de modo a ganharem profundidade, inflectindo depois para a direita para atravessarem o Tejo na direcção do Montijo, inicialmente por um tunel e depois por uma ponte.

Proposta C (A proposta que a meu ver teria sido a melhor)

1- Entrada dos TGV em Lisboa pela actual ponte Vaso da Gama, que teria sido rodo-ferroviária, com a estação terminal na antiga gare de triagem de Beirolas, que a CP vendeu à EXPO que construiu lá uma urbanização.

2- A linha TGV para o Porto seguiria pela margem Sul até perto da Chamusca atravessando aí o Tejo e passando perto do Entroncamento, que guardaria as suas características de centro ferroviário.

3- Novo aeroporto na margem Sul.

Proposta C' (Proposta que julgo ser neste momento a preferível)

1- Saída dos TGV de Lisboa por Sacavém seguindo paralelamente ao Tejo (possivelmente entre o IC2 e o rio) até perto de Alhandra, para aí, depois de ganharem altura, passarem num viaduto diante da vila de modo a não perturbarem a vida ribeirinha para, depois, inflectindo à direita, atravessarem o Tejo na direcção do Porto Alto sem passar sobre a Reserva Ecológica do Tejo.

1'- Estação de partida na Gare do Oriente, o que é possível desde que se reserve uma zona de manobras a Sudoeste.

2- Linha TGV para o Porto pela margem Sul, até perto da Chamusca.

3- Novo aeroporto na margem Sul.

Proposta C'' (Variante da anterior)

1-Passagem dos comboios em Alhandra e Vila Franca por um túnel com cerca de 8 km, ou utilização de algum processo que permita quadruplicar as vias sem prejudicar demasiado a vida à superfície, com a travessia do Tejo depois de Vila Franca

2-TGV para o Porto depois de Vila Franca pela margem Norte ou pela margem Sul.

3- NAL na Ota, ou na margem Sul.

Proposta D (Proposta apresentada no PROTAML elaborado pela CCRLCT, creio que em 2004)

1- Os TGV vindos de Badajoz inflectem a meio do Alentejo para ir passar o Tejo acima da Azambuja, para passarem na Ota, para depois virem até Lisboa, entrando pela margem Norte não sei bem por onde.

2- Não conheço o trajecto proposto para TGV para o Porto.

3- NAL na Ota. (O trajecto referido em 1 permitiria aos passageiros vindos de Madrid por TGV irem ver o aeroporto onde tinham decidido não aterrar).

PROPOSTA

Os estudos necessários para decidir sobre estes problemas estão muito atrasados. É uma questão que pode ser documentada noutra ocasião. O que é no entanto neste momento evidente é que não conseguiremos chegar, neste ano de 2007, a soluções consensuais como seria desejável, sobre nenhum deles.

Há, no entanto, uma proposta, que parece poder ter uma concordância generalizada e que Portugal pode apresentar na Cimeira Ibérica do final do ano:

a da construção tão rápida quanto possível de uma linha TGV mista (para passageiros e mercadorias) de Badajoz ao Pinhal Novo (estação da Fertagus).

Uma vez construída, esta linha tras-nos vantagens imensas: as indústrias de Setúbal e a Plataforma Logística prevista para o Poceirão ficam ligadas à rede de bitola europeia; a ligação ferroviária por TGV de Madrid a Lisboa, embora ainda não completa, pode começar a funcionar. Por último, depois de tantos anos a discutir, podemos ter em vias de realização um projecto concreto, importantíssimo para o País, fácil de realizar e relativamente barato.

Penso que nos podemos empenhar em dar este passo importante.

António Brotas

(Depois, podemos dedicar um ano ou dois a discutir seriamente o problema da travessia do Tejo e da entrada dos TGV em Lisboa, para o que são necessários estudos que ainda não estão feitos. As Câmaras de Lisboa, Barreiro, Montijo e Vila Franca devem estar muito atentas e participar activamente nesta discussão. Mas, neste momento, o que pode ser discutido nesta campanha em Lisboa é a metodologia para abordar o assunto.

Simultaneamente, o País tem de ponderar as vantagens e os inconvenientes e dos possíveis traçados do TGV para o Porto, que são basicamente dois: o que passa no Entroncamento e o que passa entre as serras dos Candeeiros e de Montejunto depois de passar na Ota. Este problema, no entanto, não é um problema de interesse directo para Lisboa.

No que diz respeito ao NAL, não parece ser, igualmente, assunto para abordar nesta campanha eleitoral em Lisboa. O problema central é o seguinte: dos argumentos apresentados em 1999 contra a construção do aeroporto no Rio Frio, o único que merece ser considerado é o da conservação dos aquíferos subterrâneos. Há 3 semanas, o Presidente da CCRLVT afirmou que, por razões ambientais, não era possível construir na Península de Setúbal um aeroporto alternativo ao da Ota. A seguir, o Ministro Mário Lino alargou esta zona para mais 100 km do Alentejo. É absolutamente necessário estudar estas afirmações. Elas têm, com efeito uma imensa importância. Se não se justificarem, o País pode construir na margem Sul um aeroporto muito mais barato do que o da Ota e com amplas possibilidades de expansão que, manifestamente o servirá muitíssimo melhor. O que há a fazer é, portanto, evitar decisões precipitadas e estudar seriamente é o problema dois aquíferos, para o que devem ser ouvidos os técnicos portugueses competentes e, eventualmente, convidados estrangeiros. Entretanto, devem continuar os estudos do aeroporto da Ota, para, daqui a uns dois anos, podermos avaliar o seu impacto ambiental e comparar o seu custo com alternativas na margem Sul se estas não forem excluídas. Dois anos parece ser tempo suficiente para a questão dos aquíferos ser esclarecida.)

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Dois anos de Esquerda.Net
Deveria haver um bom motor de busca
[Continuamos a publicar os depoimentos dos leitores]
Visito o Esquerda.net 1 a 2 vezes por semana. Leio sobretudo notícias pouco ou nada cobertas pela imprensa corrente, artigos de opinião de alguns nomes que me interessam mais, às vezes os Sons da terra e podcasts sobre eventos do BE ou entrevistas, dependendo do tema.
A minha proposta é para todos os sites do BE: deveria haver um bom motor de busca (o do próprio software é muito débil e induz em erro) que permita pesquisas simples ou mais avançadas (booleanas, palavras adjacentes, por exemplo). O Copernic é um bom motor, freeware e creio que poderá ser usado como add-on neste software. É preciso testar e ver o resultado. À medida que crescer o fundo de notícias, precisamos cada vez mais de explorar a totalidade, retrospectivamente e, idealmente, independentemente do tipo de ficheiro que as suporte (texto, imagem, som). Seria um bom recurso de formação e difusão.

Paula Sequeiros, BE Porto



Educação em Debate
© 2017 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.