Fora da Lei criar PDF versão para impressão
06-Out-2007

João SemedoRui Rio, cuja auto-propaganda quer fazer passar por autarca modelo, comporta-se como um fora da lei. Não é de hoje, vem de trás. O caso Rivoli é simplesmente mais uma confirmação. Começou com as irregularidades do pseudo-concurso através do qual entregou o Rivoli ao empresário La Féria e continua agora com o desrespeito da decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto que considerou estar todo o processo "profundamente afectado por ilegalidades", significando isso que fica suspensa a deliberação da CMP de atribuir a La Féria a concessão da exploração do Rivoli.

A decisão é clara para toda a gente: La Féria devia fazer as malas, regressar a Lisboa e libertar o Rivoli para que este possa retomar a sua vocação de teatro municipal, para a qual foi recuperado e equipado com dinheiros públicos. Mas o que é claro para todos, turva-se na mente rebuscada e perversa de Rui Rio. Aquilo que foi um concurso promovido, organizado e realizado pela CMP - e agora declarado ilegal, deixou de o ser e passou a ser um simples convite da câmara a La Féria. La Féria não é um concessionário, é um convidado da Câmara. E como é um convite, a companhia de La Féria manter-se-á no Rivoli até ao dia em que Rui Rio dê o convite por esgotado. Rui Rio igual a si próprio: quero, posso e mando. Leis? Juizes? Sentenças? Isso é para os outros respeitarem. Outros, a quem Rui Rio - o virtuoso, passa a vida a apontar o dedo.

Rui Rio não gosta da actividade cultural, prefere corridas de calhambeques e donas elviras. Além do mais para estas nem se perde tempo com essa fantochada dos concursos. A cultura é um desperdício de tempo e de dinheiro. Ainda por cima , os artistas têm essa mania estúpida de ser gente independente, com espírito crítico e que pensa pela sua cabeça. Na sua visão curta, Rui Rio acha que o povo não gosta e muito menos merece conviver com a cultura e as artes. Suspeita mesmo que lhes possa fazer mal ou até arrastá-los para maus caminhos. Diversão, espectáculo, entretenimento, fantasia, glamour, teatro de casino: isso sim, nisso é que vale a pena apostar e gastar o dinheiro da autarquia, naturalmente, para bem dos portuenses e do seu sossego. A vida é tão difícil que o melhor é enganá-la com o can-can  e o cha-cha-cha dos La Férias e derivados. E, de engano em engano, lá chegaremos às próximas eleições. Nas quais, Rui Rio espera que o povo lhe seja reconhecido.

Há muito - ainda nem se falava no assunto e muito menos no concurso, que a cidade sabia que La Féria viria tomar conta do Rivoli. Tudo estava combinado entre o autarca e o empresário. O concurso - a que estava obrigado, não foi mais que um disfarce, um estratagema, para esconder o negócio previamente acordado. Mas nem o povo é ceguinho, nem os artistas andam distraídos. A contestação foi grande, ninguém se calou. E aquilo que Rui Rio julgava serem favas contadas, tornou-se assunto de primeira página nos jornais e presença obrigatória nos alinhamentos dos telejornais. Tudo má vontade dos jornalistas, claro está: um deles até se atreveu a participar na manifestação contra a entrega do Rivoli. E para que constasse, Rui Rio não se esqueceu de o mandar filmar, bem ao jeito do antigamente.

Para cúmulo, até os tribunais lhe recusaram razão. Rui Rio está furioso e reagiu como é seu costume: bilioso e vingativo, reclama o afastamento da juíza que tem a seu cargo a apreciação de uma segunda providência cautelar sobre o Rivoli, acusando a juíza de falta de isenção e imparcialidade por ter assinado uma petição contra as obras de requalificação da Baixa do Porto, com as quais Rui Rio pretende ficar na História.

A esta hora, também os juizes têm lugar reservado na galeria dos ódios de estimação de Rui Rio, lado a lado com artistas e jornalistas.

João Semedo

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.