Política de Terra Queimada criar PDF versão para impressão
30-Nov-2007
Bernardino ArandaO PSD votou sozinho contra (Carmona absteve-se) o empréstimo para o saneamento financeiro da CML.
O PSD não se importa de sacrificar a cidade para tentar retirar alguns dividendos políticos.

A proposta passou na Câmara porque as forças da esquerda têm uma confortável maioria de 11 Vereadores em 17. No entanto, o PSD, que mantém na Assembleia Municipal a maioria que ganhou em 2005, pode vir a chumbar o empréstimo naquele órgão, na próxima 3ª feira.

Este episódio, entre outras coisas, só vem demonstrar que o Bloco tinha razão ao pedir eleições intercalares conjuntas para a Câmara e para a Assembleia Municipal.

António Costa, dramatizou - e bem - avançando com a hipótese de se demitir do cargo de Presidente, caso o empréstimo fosse bloqueado. Como irá actuar o PSD?

Abro aqui parênteses para relembrar que foi o Bloco de Esquerda a primeira força política, logo no início da pré-campanha eleitoral, a propor que a Câmara contraísse um empréstimo bancário para pagar a dívida aos fornecedores. Dois dias depois, António Costa avançava com a mesma proposta.

Para o BE, que de orçamento em orçamento vem denunciando o total descontrolo do passivo e os encargos cada vez mais avultados com juros de mora, as vantagens desta reestruturação do passivo são evidentes: os juros bancários são bastante mais leves do que os juros comerciais. Por outro lado, a dívida à banca é mais transparente do que ter milhares de facturas acumuladas há anos no Departamento de Contabilidade. Finalmente, sabemos que existem muitas pequenas e médias empresas, que estão asfixiadas financeiramente, apenas porque a CML não lhes paga.

Ainda assim, quando da aprovação do Plano Saneamento Financeiro, em que já aparecia a questão do empréstimo, entre outras exigências bem conhecidas, o BE propôs que uma parte da linha de crédito - 140 milhões de euros - fosse só utilizado em circunstâncias especiais, "em caso de emergência", e sempre sob autorização da Assembleia Municipal. Esta indicação foi incluída na proposta final.

Mas vamos a números: Desde 2001, o passivo da CML subiu 141% (+791 Milhões de euros) e a dívida a fornecedores, 875% (+478 Milhões de Euros). O PSD, no entanto, diz sempre que João Soares tinha escondido a dívida à SIMTEJO e à PARQUEXPO. Que seja... São cerca de 200 Milhões. A parte de leão do passivo da Câmara continua, ainda assim, da responsabilidade da direita.

O pedido de empréstimo é pois uma urgência. Sem um Plano de Saneamento Financeiro, a Câmara ficará paralisada e sujeita a medidas de tutela directa do Ministério das Finanças. Uma espécie de mini-FMI local, que poderá ter efeitos muito graves no município.

Apesar de tudo isto, o PSD votou contra. Toda a gente na reunião ficou estupefacta.

"Quais foram afinal os argumentos para votar contra?" Perguntei eu a uma jornalista que se podia ter apercebido de alguma coisa que me tivesse escapado. "Nenhuns. Puro bota-abaixismo", respondeu ela.

O PSD não se importa de sacrificar a cidade para tentar retirar alguns dividendos políticos. O problema para o PSD é que isso está demasiado claro para toda a gente.

Bernardino Aranda

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.