A oportunidade (perdida) da CGTP? criar PDF versão para impressão
11-Fev-2008
António ChoraVai realizar-se nos dias 15 e 16 de Fevereiro o XI Congresso da CGTP. Neste Congresso é anunciada a renovação dos Quadros da Central e cerca de um terço vai abandonar o Conselho Nacional, mas é necessário vermos quem são os que abandonam e quem são os que os substituem.

Entre os quem saem estão pessoas que há mais de 25 anos não sentem a pressão de um chefe na empresa, que não conhecem na prática os ritmos de trabalho, que desconhecem na prática o trabalho em equipa, que não sabem, na prática, o que é fazer a mesma produção diária com menos pessoas devido ao absentismo, seja ele por razões naturais, de estudo ou por razões sindicais, assim é fácil opinar sobre questões que se desconhecem.

Para muitos destes sindicalistas como para os que ficam, o Livro Verde das Relações Laborais foi uma surpresa, porque sendo um livro que veio mostrar a realidade do mundo do trabalho em Portugal, veio demonstrar que os Contratos Colectivos existentes não são respeitados, na esmagadora maioria dos casos pela pressão exercida pelos patrões e alguns empresários (que neste caso temos poucos em Portugal) sobre os trabalhadores, pela chantagem muitas vezes virtual, mas algumas real sobre o emprego, ou seja, veio mostrar ao comum dos sindicalistas que a realidade não é o que imaginamos, mas o que efectivamente é.

Para alguns deles, isto foi uma "pedrada no charco", ou seja, viram que o seu trabalho (na esmagadora maioria dos casos convicto e dedicado aos interesses dos trabalhadores), não resultou, que hoje os trabalhadores estão confrontados com novas realidades no local de trabalho, que as respostas "feitas" não levaram a lado nenhum. Compreendo a amargura de muitos deles, apesar da aparente boa disposição.

Mas também quero aqui lembrar que estes são sindicalistas que querendo, (apesar da idade), podem aprender com a realidade e juntá-la à experiência que têm para levar a "bom porto" uma politica que deve ser a de mais negociação, menos legislação, uma política que mobilize os trabalhadores para defenderem os seus verdadeiros interesses na negociação e não uma politica de luta de acordo com o calendário político de alguém, que vê os sindicatos como correia de transmissão dos seus ideais.

A mudança a que vamos assistir na CGTP vem impregnada de uma outra coisa que não augura nada de bom, vem impregnada de jovens (na idade) velhíssimos na mentalidade, jovens delegados sindicais a quem, logo que são nomeados, (é esta a palavra na maioria dos casos) é dada uma formação (no distrito de Setúbal é assim) em Luta de Classes na quinta da Atalaia no Seixal, ficando depois preparados para assumir um cargo na Direcção do Sindicato nas eleições seguintes.

Foi interessante vermos também como decorreram as escolhas para os delegados ao Congresso, foram mesmo escolhas, recaíram em 90% dos casos sobre dirigentes sindicais, os restantes foram nomeados da seguinte maneira: da Comissão Sindical da Autoeuropa vai "fulano de tal", porque "fulano de tal está vetado pela direcção", se o "fulano" não aceitar vai mais um membro da Direcção, e o "fulano" não aceitou, porque exigia eleições para delegados. Entre os escolhidos, e já nomeados para o Conselho Nacional por este distrito, estão pessoas cujas empresas significam 2 ou 3% dos sindicalizados e outros que, nem sequer empresa têm, porque a mesma ou já fechou os se deslocalizou.

Em conclusão, Manuel Carvalho da Silva a continuar, vai ver desaparecer alguns sindicalistas que não mudaram desde o PREC, mas também os que compreenderam nos últimos tempos as mudanças no mundo laboral, que compreenderam a necessidade de globalização das lutas e das reivindicações, a defesa do emprego em Portugal, na Europa e no Mundo, mas um emprego com direitos, um emprego com sindicalizados em verdadeiros sindicatos independentes de partidos, da China a Portugal, passando por Angola, pela Venezuela e pelo Brasil. Com a saída destes e a entrada de "novos" sindicalistas com ideias pré-concebidas contra a nova central sindical mundial, Manuel Carvalho da Silva vai ficar mais isolado e em meu entender não terá condições para levar o mandato até ao fim e sairá a meio, devido ás contradições entre o que quer para o Mundo Sindical, (e lendo o seu ultimo livro, o que quer é muito do que o sindicalismo precisa) e o papel que o quererão obrigar a desempenhar.

Provavelmente, e porque sair agora poderia ser uma forte machadada no movimento sindical com percas irremediáveis para o movimento e apesar de tudo para os trabalhadores, irá optar por sair depois, utilizando a regra dos 60 anos agora imposta.

Uma coisa é certa, ninguém anda muito tempo com o dilema de "manter tudo na mesma ou mudar" só os imobilistas políticos e sindicais têm medo da mudança, esquecendo que mudar é próprio da natureza humana, pois se mudarmos e algo correr mal, podemos sempre voltar ao início, mas se não mudarmos, garantidamente tudo continuará na mesma, e serão sempre os mesmos do costume a sofrer.

António Chora
Coordenador da Comissão de Trabalhadores da VW Autoeuropa
Delegado Sindical do STIMMS

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.