Outras pescas, outras coisas criar PDF versão para impressão
11-Jun-2008
Na recente questão das pescas muita coisa foi metida no mesmo saco.
Disse-se muita treta, deitou-se poeira nos olhos. Assim é o governo que temos, continuador dos governos que tivemos.
Opinião do nosso leitor José Pedro Fernandes.

Começando pelo ministro responsável, que afirmou de início que o problema não era acudir, de imediato, ao problema do preço dos combustíveis, mas sim reestruturar o sector.

Para a seguir tratar de negociar apoios imediatos às pescas, a nível interno e a nível da CEE, para enfrentar os efeitos da subida dos preços dos combustíveis... Ou seja, reconhecer que o problema era acudir de imediato à situação.

Então para quê as primeiras afirmações? Para responder, sem responder, às exigências que se iam seguir (e estão a ser feitas) dos camionistas, dos transportadores, dos cidadãos em geral. E a resposta é: "não devemos fazer nada, porque as leis de mercado são sacrossantas, os combustíveis estão assim e pronto, aguentem, reestruturem-se". Só que, depois de cumprido o dever religioso de profissão de fé no "inevitável" reinado do neo-liberalismo, foi necessário responder ao mundo real, o tal que é verdadeiramente inevitável, e não deixar as pescas pararem de vez. E o mundo real vai continuar a exigir respostas, em vez de se deixar placidamente destruir.

Poeira nos olhos. O problema era tentar não dizer alto e bom som que o neo-liberalismo é um sistema falido. Que seja claro, não é um sistema com erros, é um sistema falido, sem conserto possível. E os seus arautos não sabem nem querem dizê-lo (porque teriam de expor-se como falhados a substituir com urgência). Negociar apoios imediatos é reconhecer isso mesmo: o sacrossanto mercado não se auto-regula. E os estados têm de intervir, e vão continuar a ter, para consertar o caos neo-liberal. De que os actuais preços absurdos dos combustíveis são uma das manifestações.

Mais poeira nos olhos: falar também da necessidade de reestruturação do sector das pescas. Quando não se avançam prazos a cumprir a esse respeito, nem ideias sobre o que é urgente fazer, falar disso é dizer umas balelas politicamente correctas. Mais uma forma de cultivar a desonestidade intelectual básica que a defesa do neo-liberalismo exige.

Que essa reestruturação é urgente já é claro há anos. Sem prazos nem ideias continuará a ser uma coisa adiada. E terão de ser os intervenientes directos a tomar o problema em mãos, com carácter de urgência, porque há anos, há dezenas de anos, os nossos sucessivos governos apenas adiaram.

Outras pescas, precisam-se!

Outras pescas, em que não se destruam recursos. Outras pescas, em que os pescadores nacionais sejam pagos decentemente e não emigrem para tudo o que é sítio. Outras pescas, em que os armadores nacionais não sejam uma espécie "inevitavelmente" em extinção, como não o são, basta olhar, os armadores espanhóis ou franceses. Outras pescas, em que os intermediários entre o produto da pesca e os consumidores de peixe não sejam uma parte (e nada pequena) do problema.

Outras pescas, se formos a tempo, ou teremos de voltar a criá-las depois de as deixarmos destruir. Outras coisas e não mais do mesmo, se quisermos ir a tempo, nas pescas e em tudo o mais.

José Pedro Fernandes - Maia

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.