Tempos difíceis que vivemos no nosso país... criar PDF versão para impressão
11-Jun-2008
Venho por este meio, repartir com os portugueses a minha indignação acerca dos dias difíceis que vivemos no nosso país: desemprego...custo de vida a subir todos os dias...já não falando nos impostos, que o nosso governo carrega em cima dos que menos podem.
Opinião da nossa leitora Céu Vieira

A minha opinião acerca dos impostos é: carregar com impostos sim mas em cima de quem tem automóveis de alta cilindrada, quem tem motas de água e altos barcos de passeio, em motos de 4 rodas etc. etc. Porque esses veículos não são precisos para ir para o trabalho dos portugueses, e quem pode comprar esses veículos, também pode pagar mais impostos. É uma vergonha saber nos stands desses veículos de luxo que não há crise de vendas... Mas muitos portugueses nem podem comprar um carrinho humilde para não irem para o trabalho á chuva,.... outros... têm de vender o que têm porque não suportam a despesa da gasolina.

Parece que estamos a andar de cavalo para burro. Fábricas a fechar, por todo o lado, criando desemprego, que depois é pago com os impostos de todos os portugueses.

Vão para países onde a mão de obra é mais barata, não é???? E nós? Como é que ficamos???? Podiam ir sim... mas o nosso governo devia pôr mão nisso... eles fecham as fábricas mas o governo abria-as garantindo assim os postos de trabalho dos empregados!!!!! Devíamo-nos juntar e protestar, pondo bandeiras pretas nas nossas janelas. Não podemos ficar impávidos e serenos, a ver a nossa vida a ir cada vez a pior... Evoluímos ou regredimos? Por este andar daqui a pouco mais parecemos um país do 3ºmundo....estamos a perder o poder de compra cada vez mais....

Opinião de Céu Vieira de Ílhavo - Aveiro

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.