Onda de violência criar PDF versão para impressão
19-Set-2008
Enquanto sócio fundador do SOS Racismo, entendo que a Embaixada de França devia elaborar um protesto contra a Imprensa portuguesa pela forma discriminatória com os seus concidadãos em Portugal são tratados.
Há algumas semanas que espero trabalhos jornalísticos sobre a comunidade francesa, após o crime cometido por um cidadão francês contra um proprietário de uma superfície comercial, na zona de Leiria.
Opinião de José Falcão.

Então "eles" andam a matar patrões de supermercados e...nem um estudo sociológico? Tão pouco temos visto jornalistas plantados às portas dos bairros com mais franceses? Nem reportagens que nos expliquem o porquê dos "instintos violentos" dos franceses? E não há nenhum comentador da nossa praça que se dedique a este grupo de risco? E nem uma rusga na Lapa, na Av. de Roma, nas chegadas do Aeroporto, em Telheiras, nas moradias do Estoril ou nos bares da 24 de Julho? E o SEF não detém os franceses nas nossas fronteiras?

Francamente, com é possível viver descansad@ com tanta falta de "segurança"?

E a União Europeia não devia aprovar uma directiva em que tod@s @s franceses fossem recenseados e impressões digitais e ADN inspeccionados, com a Itália está a fazer com a comunidade cigana?

E as forças de segurança andam assim tão entretidas nos bairros "problemáticos" da periferia das grandes cidades que não tem tempo para se dedicar a este sector da imigração?

Como é que o nosso ministro Rui Pereira encara esta falta de atenção para este segmento da população? Não devia ser chamado ao Parlamento? E os comentadores? Que é feito deles? Ficaram cansados com a actividade de Verão? O Marco Fortes, os ciganos da Apelação, os pretos da Quinta do Mocho esgotaram a inspiração de tão distintos comentadores e editorialistas? O PP e Paulo Portas ficaram cansados de pedir explicações?

O povo já não precisa de estar "assustado" porque já temos futebol?

José Falcão

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.