Festa do Avante- Reflexão criar PDF versão para impressão
19-Set-2008
Este ano, as parangonas noticiosas de vários órgãos de comunicação, sugeriam um espectáculo de ópera como sendo a grande atracção a exibir. (...) Este espectáculo teve infelizmente de ser cancelado devido à chuva. Após um cancelamento que todos os artistas envolvidos lamentaram, estava no entanto reservada aos músicos da Ginásio Ópera uma grande estupefacção: na altura da realização dos pagamentos contratados, aperceberam-se de que todos aqueles músicos que tinham sido convidados para actuar como reforço, iriam receber pelo mesmo espectáculo uma remuneração superior em 50 € cada.
Opinião de um leitor devidamente identificado, que pediu o anonimato.

A Festa do Avante tem tido desde a primeira hora da sua criação, a preocupação de incluir entre a variada programação, uma vertente cultural capaz de atrair público fora dos limites partidários e de simpatizantes do Partido Comunista Português.

Este ano, as parangonas noticiosas de vários órgãos de comunicação, sugeriam um espectáculo de ópera como sendo a grande atracção a exibir.

Para a realização desta inovadora exibição, terá sido investido o senhor João Maria de Freitas Branco como presidente da direcção da Ginásio Ópera, cuja orquestra seria reforçada com alguns músicos da Orquestra Sinfónica Portuguesa. Este espectáculo teve infelizmente de ser cancelado devido à chuva.

Após um cancelamento que todos os artistas envolvidos lamentaram, estava no entanto reservada aos músicos da Ginásio Ópera uma grande estupefacção: na altura da realização dos pagamentos contratados, aperceberam-se de que todos aqueles músicos que tinham sido convidados para actuar como reforço, iriam receber pelo mesmo espectáculo uma remuneração superior em 50 € cada.

Nada disto seria muito de espantar tendo em conta a livre contratação existente nas vontades das partes. Talvez a maior indignação para estes trabalhadores culturais, tenha resultado de esta discriminação aparecer ao arrepio da propalada frase "a trabalho igual, salário igual", tão amplamente divulgada pelo partido organizador da Festa durante os largos anos em que se tem reivindicado como defensor dos direitos dos trabalhadores.

Por esta situação nos merecer toda a indignação pela mesquinha discriminação laboral que encerra, não podemos deixar de divulgar o seu conhecimento fora do restrito número daqueles que laboram nos meios culturais, já que o seu significado extravasa muito para além da mera revelação de preconceitos de classe.

Opinião de um leitor devidamente identificado, que pediu o anonimato.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.