Pela aplicação do princípio de precaução, em defesa da saúde pública criar PDF versão para impressão
25-Set-2008
A lei vigente permite que as linhas sejam construídas na ausência de medidas que evitem ameaças, potenciais e plausíveis, à saúde dos habitantes, ignorando um princípio basilar que deveria estar no cerne de qualquer decisão: o princípio da precaução.
Opinião da nossa leitora Ana Sartóris, de Almada.

A linha aérea de muito alta tensão que a REN (Rede Eléctrica Nacional) pretende estabelecer em Almada foi alvo de diversas contestações, nomeadamente devido à distância de alguns postes das habitações (10m) e escolas de crianças de três anos (40m).

Face às incertezas da ciência e às recomendações de organizações internacionais, como a Organização Mundial da Saúde e a Agência Europeia do Ambiente, a colocação de Instalações Eléctricas de Alta Tensão junto das populações é inaceitável.

A lei vigente permite que as linhas sejam construídas na ausência de medidas que evitem ameaças, potenciais e plausíveis, à saúde dos habitantes, ignorando um princípio basilar que deveria estar no cerne de qualquer decisão: o princípio da precaução.

Em Dezembro de 2007, o BE apresentou um projecto-lei para a necessária alteração legislativa que acautelasse a protecção da saúde das populações, princípio rejeitado pelo PS e conivente abstenção do PSD e do CDS/PP, num movimento de inaceitável irresponsabilidade política.

O atropelo dos direitos dos cidadãos, preconizados pelo silêncio do Governo, a arrogância da REN e a inalteração de uma lei que desprotege a comunidade, em prol de interesses económicos, estabelece um profundo des(res)peito pelas populações.

É na aplicação do princípio da precaução que Portugal deve acompanhar as práticas mais avançadas e sustentáveis, prevenindo riscos, reais ou potenciais. A saúde pública constitui um direito inalienável e deveria ser motivo suficiente para a urgente alteração legislativa. Esta é uma exigência de todos, para todos, em nome do futuro, na defesa da saúde pública.

Ana Sartóris

Almada

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.