É tempo de abandonar a economia de casino! criar PDF versão para impressão
18-Out-2008
Sair da economia de casino! - Cartaz de Attac FrançaAs Attac da Europa aprovaram uma declaração comum em que apontam: "Para responder a esta crise não basta moralizar o capitalismo ou atribuir culpas aos agentes dos mercados financeiros. Uma regulamentação superficial e uma gestão da crise a curto prazo teriam como única consequência salvar o sistema e conduzir-nos para novos desastres. Responder a esta crise exige sair do neoliberalismo e pôr fim ao domínio da finança sobre o conjunto da sociedade".

Declaração comum de organizações Attac da Europa
(Attac Alemanha, Attac Áustria, Attac Hungria, Attac Espanha, Attac Finlândia, Attac Flandres, Attac França , Attac Itália, Attac Marrocos, Attac Noruega, Attac Holanda, Attac Polónia, Attac Suécia, Attac Suiça, Attac Togo)

Publicada a 15 de Outubro de 2008 no site de Attac França http://france.attac.org/

"Desarmar os mercados!"

Na fundação de Attac, em 1998, este lema destacava-se, perante o crash financeiro na Ásia do sudeste.

Hoje, o mundo rico está no centro da mais grave crise desde a Grande Depressão de 1929.

Esta crise é sistémica: são a estrutura e os mecanismos do próprio sistema que estão em causa. A mundialização liberal e a ficção dos mercados auto-regulados estão em falência.

Para responder a esta crise não basta moralizar o capitalismo ou atribuir culpas aos agentes dos mercados financeiros. Uma regulamentação superficial e uma gestão da crise a curto prazo teriam como única consequência salvar o sistema e conduzir-nos para novos desastres. Responder a esta crise exige sair do neoliberalismo e pôr fim ao domínio da finança sobre o conjunto da sociedade. Este é o tema da declaração das Attac da Europa publicada hoje.

N a emergência, recusar a socialização das perdas e a privatização dos lucros

Aplicação do princípio do especulador pagador

É preciso intervir por causa das consequências do afundamento dos mercados financeiros no emprego e nas condições de vida da maioria das pessoas. Todavia, o custo das intervenções necessárias à estabilização dos mercados não deve ser suportada pelos contribuintes, que já pagam esta crise na recessão e na subida do desemprego, mas por todos os que são responsáveis pela crise, os que acumularam fortunas, frequentemente protegidas em paraísos fiscais. Por isso, é preciso criar um fundo especial de crise em todos os países. Esse fundo deverá ser alimentado por um imposto progressivo sobre os rendimentos financeiros, única forma de parar com o agravamento das desigualdades, com a degradação social e com a submissão das sociedades à finança.

Reforço de um sector bancário público cooperativo

As recentes nacionalizações no sector bancário não tiveram como objectivo reformá-lo, mas apenas salvar os grandes bancos da falência para os privatizar de novo, assim que for possível. É preciso inverter esta tendência, reforçar os bancos públicos que não visam o lucro e subtraí-los à obrigação da concorrência. Os bancos importantes deveriam ser públicos para assegurar finanças estáveis, que permitam um desenvolvimento durável e equitativo.

Refundação do sistema monetário e financeiro internacional no quadro de uma reforma global das Nações Unidas.

Sair do neoliberalismo exige que se ponha fim à mobilidade internacional dos capitais. E portanto redefinir os objectivos, as regulamentações, a fiscalização e as responsabilidades do sistema financeiro. Isto não pode ser feito sob a égide do G8 ou do FMI, que provaram a sua incapacidade para assumir a defesa do interesse público do mundo e para impedir a instabilidade financeira. Deve ser criado um quadro institucional apropriado, sob a égide das Nações Unidas, afim de regular e reorientar o sistema financeiro.

Para acabar com o domínio da finança, as Attac da Europa propõem, nomeadamente:

          Uma taxa sobre todas as transferências financeiras, incluindo sobre as transacções em divisas, para reduzir a especulação, abrandar a velocidade dos mercados e reduzir o curto prazo, para estimular o comércio, a produção e um consumo equitativos e sustentáveis;

          Impostos progressivos sobre os rendimentos do capital, para abrandar e estabilizar os mercados financeiros e reduzir os incentivos a lucros excessivos;

          Encerramento dos paraísos fiscais;

          Proibição de todos os instrumentos insustentáveis e desestabilizadores da finança, e em especial, dos Hedge Funds e dos Private Equity Funds;

          Controle absoluto dos processos de titularização.

Este objectivo só pode ser atingido se, simultaneamente, uma nova repartição dos rendimentos for aplicada, se os serviços públicos e a segurança social forem preservados, e forem consagrados recursos importantes aos investimentos ecológicos.

Aceda aqui às propostas na íntegra das Attac da Europa (em francês)

Tradução do francês de Carlos Santos

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_todosdosiers.png
© 2019 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.