Preparemo-nos criar PDF versão para impressão
13-Nov-2008
Aprovada a Lei do Trabalho, aprovado o Orçamento, há que dizer com clareza: preparemo-nos.
Nas ruas, 120 000 professores deram o mote dos próximos tempos: esperam-nos dias de intensa mobilização e endurecimento da luta popular. O novo Orçamento é claro: a factura da crise vai ser passada a todos nós, e nem as eleições que se avizinham vão pôr limites à ofensiva do neo-liberalismo, ou não teríamos a Lei do Trabalho que passamos a ter.
Opinião de José Pedro Fernandes.

Mas também é verdade que a mobilização em torno das últimas grandes manifestações não tinha precedentes há anos. Hoje voltou-se a discutir política no café, acabou a rotina do futebol-e-um-bagaço. E há finalmente uma juventude que chega sem ilusões e com renovada combatividade ao mercado de trabalho. Os movimentos de base surgem um pouco por todo o lado e um pouco por todas as causas. Os sindicatos enfrentam uma pressão cada vez maior por uma acção mais dura e consequente, para não serem completamente ultrapassados. E mesmo a consciência da necessidade de eficácia, em termos de organização, vai ganhando peso.

O que coloca a esquerda perante uma responsabilidade acrescida: a urgência de construir um programa de alternativa é premente. É necessário que seja dito já amanhã o que ainda é demasiado genérico ou pouco claro hoje. Ou seja: preparemo-nos.

Tenhamos claro que a direita não terá escrúpulos nem rebates de consciência para tentar impor os seus desígnios. Recorrerá a tudo, mesmo à força armada, se se sentir encurralada. Já lá vão uns anos, desde o buzinão da ponte sobre o Tejo, mas a memória não é curta: há sempre uns sicários de dedo nervoso no gatilho a quem recorrer. Por isso também: preparemo-nos.

Não se trata de ser idiota e pregar a Revolução de Outubro para o próximo fim de semana. Trata-se de enfrentar os próximos tempos com lucidez. Ganhar posições. Travar a ofensiva da direita e afirmar uma alternativa de esquerda. E sair desta crise numa posição mais favorável.

Preparemo-nos para isso: ninguém o fará por nós.

José Pedro Fernandes

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2021 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.