Fábula criar PDF versão para impressão
25-Nov-2008
Suponhamos que a miséria em torno do meu bairro me incomoda (é o caso, mas não vou realmente falar disso). Suponhamos que me horrorizam as atitudes dos vizinhos (alguns), que acham que se deve meter os esfarrapados na cadeia.
Solução? Se tivesse miolos de galinha (os frangos que me perdoem por não ser politicamente correcto), abria o meu frigorífico à comunidade. Assim mesmo. Numa de bom samaritano. E se fosse suficientemente persuasivo, ao fim de 3 convidados, conseguiria convencer os seguintes a matar a fome com os cubos de gelo que sobravam.
Opinião de José Pedro Fernandes.

Se resolvesse levar a coisa a sério, sem tentar salvar o mundo sozinho, teria de me envolver e envolver muita gente, em acções planeadas e concertadas, buscando uma repartição mais justa do produto social e combatendo com persistência a injustiça.

Chega de fábula. As coisas não são simples. Dão trabalho. Exigem de nós. E em boa verdade teremos de ter a humildade de reconhecer que as coisas são demasiado complexas para pensarmos que já sabemos realmente como fazer, no concreto.

Se passo o tempo a afirmar que é preciso construir um programa político mínimo em que as pessoas decentes se reconheçam, é justamente porque acredito que existe uma alternativa de esquerda ao neo-liberalismo. Por convicção.

E isto faz-me chegar ao tema concreto que me levou a escrever isto. A imigração na CEE. As notícias de mais alguns afogados em frente a Gibraltar. O horror da situação de centenas e centenas de seres humanos.

A direita europeia encontrou como solução internar os emigrantes em centros de detenção. A esquerda protestou. E bem. Não é decente tratar a miséria como crime. Mas calou o mais difícil. A solução porta-aberta é insensata. Não há frigorífico suficientemente grande. Ou seja, o que defende a esquerda como política de emigração europeia? Não sei. E gostava de chegar a ter ideias claras sobre isto. Daí a minha fábula, como contributo para o debate.

Se não acharmos normal dar a milhares de marroquinos, senegaleses, nigerianos, etc, uma dieta de cubos de gelo teremos (os que nos vemos a nós mesmos como gente de esquerda) de saber propor algo. Algo imediato, articulado com algo a médio e longo prazo. Começando por ouvir o que dizem as associações de imigrantes. Aceitando que o problema existe. Agora e não daqui a bocado.

Até que mais alguns afogados não sejam apenas mais uma notícia.

José Pedro Fernandes

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2021 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.