Critérios diferenciados de sacrifícios criar PDF versão para impressão
01-Dez-2008
A actual crise de confiança no papel do Banco de Portugal, como Autoridade de supervisão de operações financeiras ao nível do sistema bancário, despoletada com o caso BPN, traz à memória dos portugueses os critérios diferenciados de apelos incessantes ao "apertar do cinto" protagonizados por Vítor Constâncio.
Opinião de José Lopes

Com a sua autoridade, Constâncio tem ajudado a impor ao país, mensagens de alertas "vermelhos", influenciando com particular incidência o governo de Sócrates, a não ser sensível nas políticas sociais.

O fantasma do défice, repetido até á exaustão, serviu para justificar e avalizar todas as politicas de ataque aos serviços públicos, ao seu desmembramento e descrédito, ao corte de direitos sociais, ao congelamento salarial e ás medidas economicistas em sectores como a saúde ou educação.

Neste capítulo o Banco de Portugal mostrou-se demasiado eficiente e exigente no "equilíbrio" das contas públicas. Mas estranhamente, todo este rigor e sacrifício para as famílias, aconteceu em simultâneo com a inacreditável passividade desta mesma Instituição, para com o descalabro do BPN, cujos critérios de disciplina nas contas do banco e dos negócios escandalosos, deixaram transparecer descarado facilitismo para o capital, contrastando com os repetidos alertas de sacrifícios e mais sacrifícios aos trabalhadores.

José Lopes (Ovar)

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2021 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.