A feira dos engajadores criar PDF versão para impressão
17-Dez-2008
Há um século, era normal em muitas actividades que houvesse uma fila de trabalhadores, de madrugada, à espera de ser escolhidos, para esse dia de trabalho, pelo engajador. Passaram 100 anos. E levamos, para nossa desdita, com o governo do engenheiro.
Neo-liberal de quatro costados, a coberto do nome "socialista", este governo fabricou leis de trabalho, de trabalho temporário, e de trabalho na função pública que os seus antecessores cavaquistas e barrosistas nunca conseguiram impor. O PS de Sócrates fez o trabalho da direita, melhor do que essa mesma direita foi capaz. E o mercado de trabalho voltou a ser a feira dos engajadores.
Opinião de José Pedro Fernandes

Voltamos a ter como regra e não como excepção dois tipos de trabalhadores: os que ganham 14 meses e têm alguma estabilidade de emprego (muito embora pressionados para sair) e os que ganham 12 meses, ganham mal, pagam ao engajador um tanto,  e não sabem o que lhes vai acontecer no mês seguinte.

E para as empresas tudo passou a poder ser trabalho temporário: o correio tem de ser distribuído todos os dias, mas pode haver um dia sem correio, é trabalho temporário; os camiões têm de ser carregados todos os dias, mas pode haver um dia sem carga, é trabalho temporário. Etc, etc....

Disse há dias o engenheiro que enquanto governassem e os outros criticassem, as coisas estavam bem. É verdade: para empresários e engajadores ("vitalinos") as coisas vão bem. Esse é o cerne da questão: as coisas vão bem para quem? A resposta a isso separa a direita da esquerda.

Se o delírio barroso-socrateiro for levado às últimas consequências, ainda veremos secretários de estado a serem contratados à semana!

Só uma coisinha parece não estar a correr bem: as manifestações são cada vez maiores, as notícias da Grécia (outro paraíso neo-liberal) dizem-nos mesmo que as coisas vão endurecer, um pouco por todo o lado, porque o que está em causa é ver quem vai pagar a factura da crise, e a esquerda começa a encarnar a esperança de muita gente.

Cá se fazem, cá se pagam, engenheiro! Vamos a isso!

José Pedro Fernandes

{easycomments}

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2021 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.