Quem segura o emprego no patrão Estado? criar PDF versão para impressão
27-Dez-2008
Anunciadas simbolicamente a um Sábado, como exemplo de dinâmica de trabalho do governo ao país, as medidas de reforço do investimento para segurar o emprego em que o executivo de José Sócrates se propõe gastar mais de 2 mil milhões de euros, no apoio às empresas e vários incentivos à contratação e manutenção de postos de trabalho, bem como o incentivo à aposta na "moda" dos estágios profissionais que prolongam a precariedade de jovens licenciados.
Opinião de José Lopes (Ovar)

Da boca dos vários ministros intervenientes no anúncio público deste pacote de medidas, incluindo do primeiro-ministro, nada se ouviu sobre o patrão Estado, cujas intenções de reduzir o numero dos seus funcionários nos serviços públicos, são conhecidas e para atingir tais propósitos, reivindicados aliás pelos "empreendedores" privados, estão preparados instrumentos legislativos para encetar o ataque aos funcionários, através do aumento da precarização e exploração no trabalho público e da instabilidade nos vínculos laborais, bem como da desresponsabilização perante os seus trabalhadores através da transferência de competências, como acontece com a passagem dos não docentes para as câmaras, que não auguram melhor futuro nas relações laborais. É caso para perguntar, perante este anúncio de apoio ás empresas e ao emprego, a quem compete segurar o emprego no patrão Estado, porque não deixa de ser uma prioridade a ter em conta perante as políticas neoliberais prosseguidas.

José Lopes (Ovar)

{easycomments}

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
tit_otaemdebate.png
tit_esquerda.png
Esquerda 40: Não tem que ser assim
Leia aqui o jornal "Esquerda"
Clique na imagem para aceder ao Esquerda 40 em pdf
Outros números do jornal Esquerda
Assinatura do Jornal Esquerda
Participe
Crise Financeira Mundial
Reforma de 186 euros, depois de trabalhar 35 anos
O nosso leitor Armando Soares, conta-nos a revolta da sua esposa: "com a mesma idade que eu (60 anos) começou a trabalhar antes dos 10 anos, a descontar aos 14, sempre trabalhou, sempre descontou, até que um dia tinha ela 50 anos, o patrão resolveu fechar a empresa (...) Terminou o desemprego próximo dos 55 anos, meteu reforma antecipada, ganha actualmente 186 euros, trabalhou uma vida 35 anos, qualquer rendimento é maior do que o ordenado dela (...)".
Publicamos ainda opiniões de Luís Peres e José Lopes.

Ler Mais
Educação em Debate
© 2021 Esquerda.Net
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.